Estudo revela como patinetes elétricos podem afetar o planeta

4 de fevereiro de 2020 4 mins. de leitura
De acordo com pesquisas, os veículos podem causar um impacto ambiental bem maior do que se imagina
Os patinetes elétricos se tornaram populares recentemente no Brasil, mas já vêm sendo muito utilizados em diversas regiões do mundo. A princípio, a ideia era oferecer uma alternativa que ajudasse tanto na questão da mobilidade urbana quanto na sustentabilidade desse setor. O Summit Mobilidade Urbana 2020 será online e gratuito. Inscreva-se! Além de consumir pouca energia, os patinetes poderiam substituir os carros nas vias, melhorando o fluxo no trânsito e reduzindo a poluição. No entanto, um estudo recente desenvolvido pela Universidade da Carolina do Norte mostrou outro lado da moeda, revelando como o uso atual dos patinetes elétricos pode gerar um grande impacto ambiental e prejudicar o planeta.

A pesquisa

Para realizar as avaliações, os pesquisadores da universidade usaram como objeto de estudo duas empresas de aluguel dos dispositivos (Lime e Bird), ambas situadas na capital da Carolina do Norte, nos Estados Unidos. Através das análises, foi possível constatar que a vida útil dos aparelhos tem sido diferente do esperado pelos fabricantes. De acordo com as marcas, esse tipo de veículos poderia durar em média dois anos; no entanto, o uso atual feito pela população tem deixado essa realidade bem distante, fazendo com que um patinete não chegue a durar nem dois meses. Esse tipo de uso “descartável” é o principal ponto que faz com que os impactos ambientais desses veículos sejam significativamente maiores do que o planejado. Afinal, quanto mais rápido eles se tornam inutilizáveis, maior e mais veloz é o fluxo de fabricação dos aparelhos.
(Fonte: Shutterstock)

O impacto ambiental

O estudo revelou que, entre as empresas avaliadas, uma delas tem seus veículos de mobilidade pessoal fabricados na China. Para chegar aos Estados Unidos, são utilizados vários outros meios de transporte, como avião, caminhão e barco, que geram gases poluentes e afetam o clima. Além disso, há consequências em relação à extração da matéria-prima necessária para a produção, como o alumínio. Por isso, a necessidade de elaborar ações para aumentar a vida útil desses veículos é de extrema importância para reduzir os impactos relacionados. Ainda de acordo com o estudo, os malefícios ao ambiente não se limitam à produção e ao transporte dos patinetes e se estendem ao gerenciamento e à gestão dos itens nas cidades. O processo de recarga desses veículos é feito através de um serviço terceirizado, o que inclui o recolhimento de todos os aparelhos da cidade, o deslocamento para o ponto de recarga e, depois disso, a redistribuição nas regiões. Os pesquisadores revelaram que a emissão de gases do efeito estufa para a fabricação, o envio, o transporte e a recarga dos patinetes é maior quando comparada a outros meios de transporte, como um ônibus público.
(Fonte: Shutterstock)

Inovação e tecnologia a favor da mobilidade sustentável

Uma das empresas se pronunciou em relação ao estudo e agradeceu a iniciativa dos pesquisadores. No entanto, questionou a solidez dos resultados e dos critérios de avaliação, reforçando a necessidade de aprofundamento das pesquisas para buscar soluções para os problemas apontados. Apesar de no Brasil esse tipo de análise ainda não ter sido feita, os relatos de mau uso dos patinetes elétricos no país demonstram que a realidade por aqui é bem semelhante à dos locais avaliados. Sabe-se que, além das políticas específicas para a preservação desses aparelhos, é necessário aprimorar as técnicas de fabricação para aumentar a vida útil deles. E é necessário promover a conscientização da população quanto aos benefícios dos dispositivos elétricos, de forma que sejam utilizados em prol da mobilidade sustentável. Afinal, o estudo também mostrou que o uso desse tipo de veículo gera menos impactos do que um carro particular que rode 11 km ou menos com 1 litro de gasolina. Aumentar a eficiência dos veículos de mobilidade pessoal, gerar uma visão de valor na população e inovar constantemente usando a tecnologia a favor da sustentabilidade é a chave para equilibrar os benefícios das alternativas mais limpas e resolver de forma efetiva as desvantagens que elas possam gerar. Fonte: Environmental Research Letters. Curtiu o assunto? Clique aqui e saiba mais sobre como a mobilidade pode melhorar os espaços.
Gostou? Compartilhe!