Conheça Culdesac, onde não há circulação de carros

Conheça Culdesac, onde não há circulação de carros
Saiba como funcionará o primeiro bairro dos Estados Unidos em que a circulação de carros será proibida

Gramado, calçadões, árvores e pessoas pedalando e passeando com cachorros. Parece a descrição de um parque, mas é a proposta do Culdesac, o bairro projetado para a não circulação de carros. A ideia nasceu a partir da experiência dos colegas de faculdade Ryan Johnson e Jeff Berens. Nascidos e criados em Phoenix, no Arizona, eles viveram por muito tempo sem saber como é não ter um carro.

Os amigos perceberam que muita coisa poderia ser feita para mudar a prioridade que os veículos tinham na cidade: atualmente, há outras opções de transporte que não o carro particular e elas já estão mudando o modo como as pessoas se movem por espaços urbanos. Aplicativos, caronas, veículos compartilhados, patinetes elétricas — há muito o que explorar. Não é à toa que estadunidenses de todas as idades vêm deixando habilitações de lado nos últimos anos.

Culdesac, na cidade de Tempe (AZ), foi mais uma dessas soluções inovadoras: um bairro desenvolvido inteiramente para a vivência sem carros. Projetado para comportar cerca de 1 mil habitantes, a ideia é que as pessoas abram a porta e vejam mais do que um mar de concreto e escapamentos. A qualidade de vida é um ponto-chave.

Como funciona

(Fonte: Shutterstock)

O bairro "pós-carro" é um projeto de US$ 140 milhões e vai incluir tudo o que é essencial para o dia a dia dos moradores: supermercado, parque para cachorros, academia, restaurantes e acesso à linha de trem para quem precisar ir até o centro ou a outros locais da cidade, incluindo o aeroporto e a Universidade do Estado do Arizona. A inauguração está programada para o outono de 2020.

O design da região é inteiramente pensado para as pessoas, para que ir até pontos de interesse não exija muito e possa ser realizado com meios de transporte alternativos ou até mesmo a pé. Pode ser considerado similar ao que os bairros foram antes da invenção do carro, mas agora há uma grande preocupação com o bem-estar.

Os fundadores reconhecem que alguns veículos são imprescindíveis. É por isso que a vizinhança terá a possibilidade de acesso por veículos de emergência, de entrega e de serviços. Caronas e viagens compartilhadas também poderão acontecer, bem como visitas de amigos e parentes de outros locais. Haverá, sim, espaços para estacionar, inclusive em locais como restaurantes; mas nada parecido com os milhões de vagas espalhadas por outras cidades nos Estados Unidos.

Há planos para levar esse novo conceito de planejamento urbano para mais lugares nos EUA e no mundo. Mesmo antes do lançamento oficial, já há expectativas nas cidades de Dallas e Denver, segundo Johnson.

Os benefícios

(Fonte: Tom Thain/Unsplash)

As vantagens de viver em um ambiente não dominado por veículos já foram comprovadas em situações similares. Em Frieberg, na Alemanha, existe uma vizinhança funcionando plenamente sem carros. Eles não são proibidos, mas altamente desencorajados, já que a prioridade de tráfego é sempre do pedestre e não há qualquer espaço para estacionar nas ruas.

Essa e outras iniciativas (como o car-free day, em Paris, na França) serviram como base de estudos para a criação de Culdesac. Há tantos lugares tornando essa uma realidade porque os benefícios são realmente valiosos. Além da preservação urgente do meio ambiente com a redução de emissões de carbono, a poluição causada pelos veículos é perigosa para a saúde da população. O alto número de acidentes nas ruas é outra razão pela qual muitas comunidades estão reconsiderando a necessidade dos carros.

Fontes: Fast Company, UMTRI.

Curtiu o assunto? Clique aqui e saiba mais sobre como a mobilidade pode melhorar os espaços.

Evento de Mobilidade - Evento de Mobilidade - Summit Mobilidade Estadão