4 problemas principais de mobilidade urbana no Brasil

9 de fevereiro de 2021 3 mins. de leitura
País enfrenta dificuldades em nível estratégico desde quando surgiram os grandes centros urbanos

Desde quando surgiram os primeiros centros urbanos, o Brasil enfrenta uma série de questões sociais e ambientais ligadas ao ir e vir nas cidades. Faltam políticas públicas mais eficientes, consciência ambiental e uma mudança cultural direcionada à conscientização. A seguir, confira quatro problemas a serem enfrentados nesse sentido.

1. Falta de planejamento estratégico

Políticas públicas devem pensar estrategicamente em como seus habitantes podem exercer o direito de ir e vir. (Fonte: Shutterstock)
Políticas públicas devem pensar estrategicamente em como seus habitantes podem exercer o direito de ir e vir. (Fonte: Shutterstock)

Com o êxodo rural e a superlotação das áreas urbanas, o processo de planejamento nem sempre acompanhou o desenvolvimento das grandes cidades. O Plano Diretor surgiu no Brasil muito recentemente, junto da Constituição de 1988, e os desdobramentos em planos de mobilidade urbana ainda não se tornaram realidade em grande parte das cidades brasileiras.

Já conhece o Estadão Summit Mobilidade Urbana? Saiba o que rolou na última edição do evento.

Todos os municípios com mais de 20 mil habitantes devem apresentar um plano de mobilidade urbana até 2022 ou 2023 — isso corresponde a mais de 30% dos municípios do País. Porém, a maioria das capitais ainda não tem esse plano.

2. Foco nos automóveis

Outro problema é que grande parte do território brasileiro foi pensada para os automóveis em meio à expansão das rodovias nos anos 1950 e 1960, como também para o crescimento do setor industrial automobilístico.

Brasília é um exemplo da aplicação dessas medidas, que acabaram restringindo a diversidade do transporte urbano. A cidade foi pensada apenas para o deslocamento por meio de carros e é cortada ao meio por uma rodovia. Com o aumento da população em grande escala, enfrenta-se hoje engarrafamentos e a falta de sinalização adequada aos pedestres.

3. Bicicletas negligenciadas

As bicicletas ainda são pouco priorizadas no Brasil. Grande parte dos ciclistas enfrenta dificuldades ao se locomover devido à falta de ciclovias e de faixas dedicadas, além da hostilidade presente ao dividir espaço com carros, ônibus e outros veículos.

A bicicleta vem sendo valorizada durante a pandemia do coronavírus por ser um meio de transporte individual e seguro. (Fonte: Shutterstock)
A bicicleta vem sendo valorizada durante a pandemia do coronavírus por ser um meio de transporte individual e seguro. (Fonte: Shutterstock)

4. Transporte coletivo pouco competitivo

De acordo com Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos, a utilização de ônibus vem diminuindo no decorrer dos anos. O transporte coletivo no Brasil é caro e oferece pouca qualidade para o usuário. 

Como há incentivos dos consumidores de carros e motos, essas opções normalmente são as mais procuradas. A venda de automóveis aumentou 132% em 2020, e as motos têm sido igualmente cobiçadas, principalmente pela popularização dos aplicativos de delivery.

Assim, cabe a cada cidade tomar as rédeas e estabelecer regras, equilibrando o uso entre o transporte público e o individual, visando à sustentabilidade e ao melhoramento da malha de transporte nos ambientes urbanos. Portanto, a mobilidade urbana deve favorecer a todos os setores da sociedade.

Fonte: Associação Nacional das Empresas de Transporte Urbanos, Motorshow, Politize, Sinaenco.

Conheça o maior e mais relevante evento de mobilidade urbana do Brasil

Este conteúdo foi útil para você?

93590cookie-check4 problemas principais de mobilidade urbana no Brasil