As relações entre meio ambiente e cidades inteligentes

30 de junho de 2020 3 mins. de leitura
A administração eficiente dos recursos naturais é tão fundamental quanto a tecnologia para as cidades inteligentes

Mais do que a aplicação da tecnologia pura e simples em um espaço urbano, o aproveitamento eficiente de recursos naturais é o que ajuda a transformar uma cidade em uma smart city. Isso quer dizer que os conceitos “cidades inteligentes” e “cidades sustentáveis” andam juntos.

Por que a China é referência em mobilidade sustentável?

Dentro disso, a disponibilidade de espaços verdes, a qualidade da água e do ar, a emissão de gases e a gestão de resíduos são algumas das questões que precisam ser analisadas quando se fala em cidades inteligentes.

A preservação dos espaços verdes é fundamental para as smart cities (Fonte: Unsplash)
Espaços verdes preservados são fundamentais em smart cities. (Fonte: Unsplash)

Cidades inteligentes são cidades sustentáveis

Para entender como os ideais de inteligência e sustentabilidade se relacionam, pesquisadores da Universidade Federal de Santa Catarina (Udesc) analisaram os critérios de dois rankings sobre o assunto: o do European Smart Cities, para o primeiro, e o Arcadis Sustainable Cities Index, para o segundo.

O levantamento do European Smart Cities leva em conta seis critérios para ranquear quais cidades são as mais inteligentes no continente: economia, mobilidade, pessoas, convivência, governança e meio ambiente.

Ônibus elétricos são viáveis no Brasil?

No último critério, são analisadas a qualidade do ar, a consciência ecológica e a administração sustentável dos recursos. Além disso, dentro da análise sobre mobilidade, a “sustentabilidade do sistema de transporte” é o fator que tem maior peso para que uma cidade seja bem avaliada.

Por outro viés, também é interessante observar que análises relacionadas à conectividade e infraestrutura também são levadas em conta no ranking de sustentabilidade Arcadis Sustainable Cities Index.

Conheça o maior e mais relevante evento de mobilidade urbana do Brasil

Ambos se encaixam no critério “lucro” da pesquisa, que também analisa as dimensões de “pessoas” (indicadores sociais e qualidade de vida) e “planeta” (meio ambiente), para definir quais são as cidades mais sustentáveis do mundo.

Cingapura foi considerada a cidade mais inteligente do mundo (Fonte: Unsplash)
Uma cidade inteligente gere bem os seus recursos naturais. (Fonte: Unsplash)

De maneira geral, a pesquisa da Udesc observou que os rankings de cidades inteligentes e de cidades sustentáveis apresentam diversas convergências em seus indicadores, mostrando que o desenvolvimento e a preservação dos recursos naturais estão interligados.

Inteligência também ajuda na preservação

Assim como a preservação do meio ambiente é essencial para que uma cidade seja uma smart city, o oposto também acontece, pois o desenvolvimento pode ajudar na administração dos recursos naturais.

De acordo com um relatório publicado em 2018, pela companhia de consultoria empresarial McKinsey, a aplicação de tecnologia nas cidades pode reduzir a emissão de gases causadores do efeito estufa entre 10% e 15% e diminuir o consumo de água de 20% a 30%, além de permitir que as pessoas gerem menos resíduos.

Fonte: McKinsey, Udesc.

Curtiu o assunto? Clique aqui e saiba mais sobre como a mobilidade pode melhorar os espaços.

Gostou? Compartilhe!