O que são ruas completas e como elas transformam as cidades?

15 de abril de 2020 5 mins. de leitura
Conceito é pautado em mais segurança e no estímulo ao uso de meios de transporte além dos automóveis

De acordo com a definição proposta pelo instituto, uma rua se torna completa quando “atende às suas vocações como espaço público de convivência e como via de movimentação segura para todos os seus usuários”.

Conheça o maior e mais relevante evento de mobilidade urbana do Brasil

Dessa maneira, não se deve privilegiar apenas quem se desloca em automóveis particulares, mas promover uma convivência democrática entre carros, transporte público, bicicletas, pedestres e outros modais.

Especialistas ouvidos pelo canal de notícias norte-americano Vox explicam que as ruas completas buscam, em parte, voltar a um conceito que existia no passado, antes que os automóveis se tornassem maiores e mais velozes e fosse necessário separá-los dos pedestres. Na época, os espaços entre carros e pessoas eram divididos de forma mais igualitária, e as ruas eram mais do que vias de passagem: eram espaços de convivência.

(Fonte: WRI Brasil/Reprodução)

A psicologia das ruas completas

Mesmo com grandes avenidas, viadutos e outras estruturas que privilegiam o trânsito de automóveis, as cidades têm uma ocorrência cada vez maior de congestionamentos. Isso sem falar nas outras questões oriundas do uso excessivo desse meio de transporte, como poluição e acidentes. Dessa maneira, o incentivo ao transporte público e à mobilidade ativa — a pé ou de bicicleta, por exemplo — é visto como a saída mais promissora para diminuir o número de carros nas ruas.

Para isso, especialistas apontam que as cidades precisam oferecer infraestrutura de modo que todos se sintam seguros e confortáveis para adotar outros meios de transporte. Isso é especialmente importante para trajetos a pé ou de bicicleta, em que as pessoas ficam mais expostas. “Para promover essas formas de deslocamento, que colocam a pessoa mais em contato com a rua e o ambiente, é indispensável levar em consideração a variável da segurança”, afirma Zenith Delabrida, professora de Psicologia Ambiental da Universidade Federal de Sergipe, em entrevista para o WRI Brasil.

A implementação de ruas completas ajuda nesse sentido, uma vez que tira o protagonismo dos automóveis e torna as vias mais agradáveis para o trânsito e para a permanência de pessoas.

‌‌(Fonte: TransitWiki)

Como os projetos são implementados?

A criação de uma rua completa envolve muito mais do que simplesmente tirar espaço dos carros e criar calçadas mais largas. É fundamental realizar um estudo aprofundado para entender os usos daquele local e quais intervenções são necessárias para privilegiá-los. Portanto, não existe um único modelo de rua completa.

Em São Paulo, por exemplo, um projeto em uma rua próxima à Estação Berrini, da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM), indicou que mais de 90% dos clientes dos comércios locais chegavam a pé ou por transporte público, mas apenas 29% do espaço estavam disponíveis para os pedestres. Já em Porto Alegre (RS), a implementação de uma rua completa levou em conta a natureza boêmia do bairro e reservou espaço para mesas dos bares próximos.

Uma vez que os especialistas descubram a chamada “vocação da rua”, é possível realizar uma infinidade de obras de infraestrutura para requalificar a via. Pode-se adotar calçadas mais largas, áreas reservadas para pedestres, pontos de travessia segura ou elevada e mobiliário urbano que privilegie a convivência (como bancos). Os cruzamentos entre vias também podem ser remodelados, com o uso de rotatórias e medidas para diminuir a velocidade de circulação dos carros, como a implantação de lombadas e chicanes (curvas artificiais).

Naturalmente, os carros podem acabar perdendo muito do espaço que tinham no modelo anterior. Mas muitas pessoas também podem deixar de utilizá-los, tornando o trânsito mais eficiente para todos.

(Fonte: WRI Brasil/Reprodução)

Municípios unidos em prol das ruas completas

Em 2017, o instituto WRI Brasil se juntou à Frente Nacional de Prefeitos (FNP) para criar a Rede Nacional para a Mobilidade de Baixo Carbono — Ruas Completas. Nesse grupo, as administrações municipais recebem capacitação técnica para criar suas próprias intervenções e apoio para a implementação de projetos piloto.

Desde a definição da rede, o número de municípios participantes cresceu de 11 para 20 e já foram realizadas ações em diversas cidades, como São Paulo, Porto Alegre e Salvador (BA). Mesmo sem fazer parte do grupo, Teresina (PI) já incluiu o conceito de ruas completas no Plano Diretor aprovado em 2019.

As cidades geralmente começam com um projeto pequeno, em uma via com grande fluxo de pedestres, como o entorno de escolas ou de estações de transporte público. Isso porque, segundo Bruno Batista, analista de mobilidade ativa do WRI Brasil, “as melhorias de conforto e segurança viária nesses locais trarão grandes benefícios facilmente mensuráveis”.

Depois dos projetos piloto, não é complicado escalar as iniciativas para outros pontos da cidade, até porque elas têm um custo relativamente baixo. A primeira intervenção em São Paulo, próxima à estação da CPTM, custou aproximadamente R$ 100 mil. Uma obra em Salvador requalificou mais de 1 quilômetro de ruas do centro histórico ao custo de R$ 4,8 milhões.

Fonte: WRI Brasil

Curtiu o assunto? Clique aqui e saiba mais sobre como a mobilidade pode melhorar os espaços.

Gostou? Compartilhe!