Por que os ônibus elétricos ainda não dominaram as cidades?

13 de abril de 2020 3 mins. de leitura
Mudança no transporte público é desejada, mas obstáculos impedem adoção do sistema pelas cidades

Governos do mundo inteiro assumiram metas para eletrificação de toda a frota de transporte coletivo. Até 2029, o estado da Califórnia (EUA) tem como compromisso ter 100% de seus ônibus no formato elétrico. No Chile, a meta de eletrificação total é até 2050. Alemanha, Holanda e Inglaterra também já assumiram compromissos nesse sentido.

(Fonte: Shutterstock)

Apesar das vantagens econômicas e ecológicas dos ônibus elétricos, a transição para uma frota esbarra em alguns obstáculos. Um estudo realizado pelo Instituto de Pesquisa WRI indica que problemas tecnológicos, financeiros e institucionais impedem a implantação mais rápida de ônibus elétricos.

Conheça o maior e mais relevante evento de mobilidade urbana do Brasil

Os obstáculos identificados no relatório incluem a falta de conhecimento operacional em sistemas de ônibus elétricos; o desconhecimento sobre aquisição e financiamento de veículos; eficiências institucionais em termos de autoridade; e disponibilidade de terrenos para as mudanças necessárias.

(Fonte: Shutterstock)

Veículos elétricos e suas baterias têm um alcance limitado se comparados à capacidade dos automóveis tradicionais. A indústria de baterias é recente e está em uma curva de aprendizagem da tecnologia.

Além disso, agências governamentais e operadores privados precisam adotar novos modelos operacionais a fim de se adaptarem à capacidade dos ônibus elétricos. A infraestrutura de recarga envolve novas tecnologias que enfrentam desafios relacionados a limitações e à estabilidade.

(Fonte: Shutterstock)

Agências governamentais normalmente usam recursos financeiros limitados, com modelos de gestão que incentivam aquisições de baixo risco. A maior parte das compras desconsidera a estrutura de custos particulares dos ônibus elétricos, que é mais cara no início e se torna mais barata ao longo do tempo, como também as incertezas e os riscos relativos aos ônibus elétricos e sua infraestrutura. As compras tradicionais também não levam em conta as responsabilidades com manutenção das baterias e a infraestrutura de recarga.

Outro problema é a falta de opções de financiamento a longo prazo, principalmente para cidades que não demonstraram forte capacidade de crédito em investimentos passados. Projetos de ônibus elétricos requerem um investimento de capital grande e tolerante ao risco, tanto para obter veículos quanto infraestrutura da rede. Na maioria das vezes, as instituições financeiras só estão dispostas a fazer esse investimento em pequena escala de projetos-piloto.

Impedimentos institucionais

Em muitas cidades, não há leis ou roteiros para fornecer um plano estratégico ou apoio financeiro à implementação de ônibus elétricos, ou existem planos ineficazes que não possuem metas transparentes e incentivos financeiros. Um dos principais motivos pelos quais diretrizes não são criadas é a falta de interesse genuíno dos políticos e os principais interessados.

Em outros casos, um grande impedimento para iniciar ou promover projetos de ônibus elétricos foi a falta de capacidade institucional. Algumas cidades carecem da autoridade e dos recursos jurisdicionais ao coordenar um projeto desse tipo.

Fonte: WRI Brasil

Curtiu o assunto? Clique aqui e saiba mais sobre como a mobilidade pode melhorar os espaços.

Gostou? Compartilhe!