3 transformações da mobilidade urbana para o pós-pandemia

19 de julho de 2020 4 mins. de leitura
Especialistas apontam possíveis impactos da pandemia na mobilidade

Dia após dia, a pandemia causada pelo novo coronavírus traz novas questões para discussão sobre as diferentes maneiras de encarar as relações humanas e a mobilidade. A necessidade de se deslocar e ter segurança para isso, principalmente em um transporte público sobrecarregado como o do Brasil, faz com que autoridades de todo o mundo precisem repensar com rapidez suas ações nesse segmento.

Conheça o mais importante evento de mobilidade do Brasil

Conheça os impactos que podem ser gerados em três frentes do setor de mobilidade também a longo prazo.

1. Transporte público

Segundo relatos de Nabil Bonduki, arquiteto urbanista e professor da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (FAU) da Universidade de São Paulo (USP), divulgados no portal da instituição, o exemplo do que se vê no Brasil, que diminuiu a oferta de transporte em meio à necessidade de distanciamento social, precisa ser repensado.

Para ele, balancear a queda de aproximadamente 60% no uso desse meio com a redução de frota não foi uma escolha inteligente. O direito fundamental de preservar a saúde e reduzir as taxas de contaminação deve ser levado em conta como prioridade na decisão, segundo Bonduki.

Passageiros do transporte público enfrentam um grande desafio de mobilidade e saúde frente à pandemia
Passageiros do transporte público enfrentam um grande desafio de mobilidade e saúde na pandemia. (Fonte: Pixabay)

Daqui para frente, estímulos dos governos, como a possibilidade de garantir acesso seguro ao transporte público, serão essenciais para que os usuários que possuem outras possibilidades de locomoção, como carro próprio, não optem por usá-las.

2. Novas regras para o trânsito de veículos

De acordo com especialistas do Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Brasil (CAU/BR), é possível que análises do novo comportamento imposto durante a pandemia, com redução ou bloqueio de vias e a consequente diminuição do trânsito, tragam algumas soluções para o futuro.

Metrô de São Paulo testa tecnologia contra coronavírus

Em webinar promovido pela instituição no início de maio, Hannah Arcuschin, arquiteta, urbanista, coordenadora de urbanismo e mobilidade na Vital Strategies e membro do Instituto de Arquitetos do Brasil (IAB), levantou algumas questões sobre esse cenário.

Para comportar novas necessidades de deslocamento, todo o espaço urbano precisa ser repensado neste período de pandemia
Para comportar novas necessidades de deslocamento, todo o espaço urbano precisa ser repensado no período de pandemia. (Fonte: Pixabay)

Segundo a especialista, além do aumento de segurança no transporte com um número reduzido de veículos nas ruas, o momento pode ser utilizado para repensar estruturas futuras e rever regras de circulação. Arcuschin afirma que uma das soluções pode ser a reestruturação das vias para impulsionar o deslocamento a pé e de bicicleta.

Participe do fórum gratuito e online sobre o Case chinês de mobilidade em tempos de pandemia. Inscreva-se.

O aumento e a revisão da velocidade média em locais que tiverem comprovada redução de tráfego e estrutura adequada para acomodar veículos destinados a entregas e cargas também precisam entrar em pauta. “Temos que ser criativos e usar essa oportunidade para repensar aquilo que já não vinha funcionando bem”, explicou ela.

3. Trabalho aà distância

O home office mostrou para diversas empresas que alguns setores podem continuar operando e gerando lucros mesmo longe de uma estrutura corporativa física. Essa nova realidade pode estar entre as chaves para ajudar a descongestionar o sistema de transporte das grandes metrópoles.

O home-office se mostrou efetivo em grande parte das companhias
O home office adiantou uma tendência em grande parte das companhias. (Fonte: Pixabay)

Se esse modelo for adotado, mesmo que de forma parcial, intercalando dias, horários de pico ou a quantidade de membros das equipes de trabalho com obrigatoriedade de presença física, todo o sistema poderá ser beneficiado com um número menor de pessoas e veículos nas ruas.

O momento segue sendo ideal para repensar essas questões e reestruturar toda a mobilidade urbana para uma retomada segura e sustentável para a população.

Fonte: ArchDaily, WRI Brasil, CAU-BR, Jornal da USP

Curtiu o assunto? Clique aqui e saiba mais sobre como a mobilidade pode melhorar os espaços.

Gostou? Compartilhe!