Como é a mobilidade em Pune, cidade inteligente indiana

19 de julho de 2020 4 mins. de leitura
Smart city concilia história e modernidade na Índia

Localizada perto do litoral oeste da Índia, Pune é um dos melhores exemplos de casamento entre tradição e modernidade. Com pouco mais de 3 milhões de habitantes, o município que abriga o palácio Aga Khan, onde se encontram as cinzas do líder Mahatma Gandhi, ocupa o segundo lugar na lista das cidades indianas mais inteligentes do mundo.

Conheça o mais importante evento de mobilidade do Brasil

Um dos fatores que destacam Pune se refere ao fato de que ela é uma cidade universitária, com várias instituições de ensino e pesquisa. Em razão disso, é comum que jovens indianos residam ali durante o período de formação acadêmica.

Além de atrair estudantes e ter vários centros de formação, Pune possui um amplo parque de empresas de tecnologia, sobretudo daquelas ligadas à informação e à comunicação. Esse perfil tem tornado o lugar uma referência em inovação.

Concurso

Os mais de 3 milhões de habitantes de Pune vivem entre a tradição e a modernidade. (Foto: Shutterstock)

A Índia possui uma das maiores populações do planeta (cerca de 1,5 bilhão de pessoas) e está entre as 20 populações mais densas do mundo. Para se ter uma ideia, a densidade populacional indiana é 16 vezes superior à brasileira.

Diante do impasse entre a tradição e o futuro, o governo indiano organizou uma competição entre as maiores cidades do país: os melhores projetos ligados ao desenvolvimento de cidades inteligentes seriam financiados. O segundo lugar de Pune no concurso foi considerado merecido, em razão da expertise inovadora que a cidade vem ganhando nos últimos anos.

Como diversificar opções de deslocamento? Inscreva-se para esse debate gratuito e online que integra o Summit Mobilidade Urbana.

Pune, que já era uma candidata atrelada à inovação, se consolidou no sentido de uma cidade inteligente de classe mundial. Como a ideia de smart cities já pressupõe, a cidade indiana chama a atenção por envolver os cidadãos na tomada de decisões. Os gestores municipais relatam que mais da metade da população foi ouvida para priorizar as ações mais urgentes e reuniões quinzenais para feedbacks.

Assim, a Pune Smart City Development Corporation Limited (PSCDCL) surge com o objetivo de enfrentar desafios ligados a mobilidade, eficiência energética, reflorestamento, revitalização de favelas, tecnologia digital e capacitação de jovens mais vulneráveis.

Mobilidade

Pune adota o sistema de BRT, como outras grandes cidades do mundo que são referência em mobilidade. (Fonte: Shutterstock)

Pune já possui soluções de mobilidade encontradas nas maiores cidades do mundo. Não à toa, recebeu em 2020 o Sustainable Transport Award (STA), prêmio global de mobilidade urbana sustentável.

Seu sistema de BRT, por exemplo, reúne ônibus de grande porte em vias especialmente dedicadas aos veículos e conta com embarque em plataformas. Esse modelo é considerado rápido, funcional e possui pequeno custo de implantação, em relação ao metrô. Trata-se de um modal aclamado regional e internacionalmente, recomendado pelos órgãos de financiamento para países dependentes.

O que muda no cenário das cidades após a pandemia?

Outro fator é a ciclomobilidade: a cidade já é conhecida como a capital do ciclismo na Índia, por possuir 125 quilômetros de ciclovias. Motos são comuns, inclusive mototáxis com cobertura para os passageiros, que podem ser encontrados também em triciclos.

As E-Bikes também são uma novidade: está em implementação uma plataforma de compartilhamento de bicicletas sem estande, que tende a confirmar Pune como a cidade das bicicletas.

As inovações que surgem agora, a partir do concurso promovido pelo governo indiano, agregam tecnologia à gestão de elementos urbanísticos. As Smart LED são bons exemplos.

Como a pandemia afeta o desenvolvimento de carros elétricos?

São soluções de iluminação urbana inteligentes e sustentáveis monitoradas em um centro de controle a fim de criar bairros mais claros e seguros, importantes para a mobilidade a pé. Isso é especialmente relevante em um país que possui uma das maiores taxas de estupro do mundo.

Além disso, há projetos de placemaking (desenvolvimento de lotes vagos com serviços inteligentes), construção de grade de conectividade elétrica (para suportar as atividades de Internet das Coisas), central de trânsito de ponta que monitorará metrôs e ônibus e projetos de revitalização de espaços urbanos.

Fonte: Estadão, ITDP, Diário de Pernambuco, Prefeitura de Fortaleza.

Curtiu o assunto? Clique aqui e saiba mais sobre como a mobilidade pode melhorar os espaços.

Gostou? Compartilhe!