Conheça Aska, carro voador que deverá ser lançado em 2025

1 de julho de 2020 4 mins. de leitura
Veículo poderá também andar em estradas e pretende ser alternativa mais prática de mobilidade

Nos últimos anos, algumas empresas têm feito pesquisas e criado projetos com o objetivo de tornar deslocamentos aéreos mais acessíveis. Há iniciativas promissoras da Uber, Airbus e Boeing, por exemplo. Essas iniciativas buscam criar “táxis voadores”, com designs inspirados em drones.

Conheça o mais importante evento de mobilidade do Brasil

O Aska — criação da startup norte-americana/israelense NFT — tem uma proposta um pouco diferente: ser um carro voador com o qual as pessoas possam se deslocar para qualquer lugar, seja pela terra ou pelo ar.

Novo carro voador é testado no Japão e flutua por cerca de 1 minuto

Para isso, o Aska conta com asas que ficam dobradas na parte de cima do veículo quando ele está no modo “carro”, mas se abrem para ele voar. É preciso apenas um espaço aberto do tamanho de algumas vagas de estacionamento para decolar verticalmente e sair voando. Segundo os criadores do projeto, o casal Maki e Guy Kaplinsky, isso torna a proposta muito mais prática — e atraente — do que as ideias de “táxi voador” dos concorrentes.

3 razões para não termos carros voadores — ainda

Afinal, para usar, a pessoa precisa de um meio de transporte para ir da sua casa até um ponto de táxi voador, e outro meio para ir do ponto de chegada até o destino final. Dessa maneira, pode ser mais prático simplesmente usar um carro normal para fazer o trajeto inteiro, argumentam os Kaplinsky. O Aska oferece as duas opções, rodar ou voar, em um veículo só. Assista ao vídeo de apresentação do carro voador.

Como o carro voador Aska funciona?

O Aska tem quatro rodas, como um carro comum, e espaço para três pessoas, embora tenha o tamanho de um SUV grande (cerca de 6 metros de comprimento). Nas partes da frente e de trás do veículo, há vários ventiladores que fazem com que ele levante voo. Os da traseira também são responsáveis pela propulsão durante o voo.

Leia mais sobre veículos autônomos

As asas — que, quando abertas, somam 12 metros de envergadura — têm ventiladores menores para auxiliar na sustentação do carro voador. Os Kaplinsky contam que esse design com asas, em vez dos modelos inspirados em drones, ajuda o Aska a economizar energia.

Dessa maneira, ele pode viajar por distâncias maiores: sua autonomia é de 563 quilômetros com um passageiro a bordo, mais do que o suficiente para ir do Rio de Janeiro a São Paulo. Mesmo com três pessoas, o carro voador Aska ainda é capaz de percorrer 241 quilômetros. Daria para ir do Rio até Paraty e fazer uma recarga, por exemplo.

Asas dão mais autonomia ao Aska (Fonte: NFT/Reprodução)
Asas dão mais autonomia ao Aska. (Fonte: NFT/Reprodução)

Além disso, as asas com seus pequenos ventiladores permitem que o Aska flutue delicadamente até o pouso, mesmo em situações de emergência, nas quais há o fim das baterias, por exemplo. Por fim, também é interessante observar que o projeto prevê um carro autônomo, ou seja, não é necessário saber pilotar, pois os sistemas do carro voador cuidam de tudo.

Nas ruas (e nos céus) em 2025

Os planos da NFT incluem testes reais, a partir de 2020, e lançamento comercial cinco anos depois disso. Pelas estimativas atuais, um exemplar do carro voador Aska custaria 200 mil dólares, nos Estados Unidos.

Carros voadores: estratégias para a mobilidade do futuro

Para efeito de comparação, isso é quase o mesmo que uma Ferrari, do modelo Portofino, custa no país. Porém, a expectativa é que esse preço caia para algo em torno de 50 mil reais, conforme a demanda cresça e a empresa ganhe em escala.

No modo
Asas do Aska podem ficar dobradas em cima do veículo.(Fonte: NFT/Reprodução)

Além disso, os criadores do projeto acreditam que a maioria dos clientes preferirá usar o Aska em um modelo de assinatura, pagando um valor entre 200 e 300 dólares por mês, incluindo o uso do carro, o seguro e a manutenção. “Nós não estamos construindo algo para pessoas ricas. Nós estamos construindo algo que todo mundo seja capaz de pagar”, disse Guy Kaplinsky em entrevista ao portal de tecnologia norte-americano CNET.

Fonte: CNET.

Curtiu o assunto? Clique aqui e saiba mais sobre como a mobilidade pode melhorar os espaços.

Gostou? Compartilhe!