Incêndio em fábrica no Japão afeta a produção global de carros

10 de abril de 2021 3 mins. de leitura
Fábrica responsável por 30% da produção mundial de chips utilizada em carros deve demorar pelo menos um mês para se recuperar de incêndio

Um incêndio na fábrica de chips da Renesas Electronics, no Japão, deve agravar a escassez global de semicondutores automotivos. A fabricante, que responde por 30% da produção mundial desse tipo de peça, calcula que deve demorar mais de um mês para retornar às atividades normais. Os efeitos da paralisação atingem montadoras no país asiático, além da Europa, dos Estados Unidos e do Brasil.

A empresa afirma que um tanque de placas pegou fogo por conta de uma sobrecarga elétrica no dia 19 de março. O fogo se espalhou para 11 unidades da fabricação, não deixando feridos. A área de produção do wafer de 300 mm, um semicondutor utilizado em automóveis de diversas montadoras, foi a mais atingida.

O incidente ocorreu em um momento em que o suprimento de chips para a indústria automobilística já estava escasso. Segundo a Renesas, há estoque para atender as montadoras por mais um mês. No entanto, a normalização do fornecimento dos semicondutores pode demorar até seis meses, de acordo com análises do setor.

Importância dos chips para os carros

Chips de automóveis controlam funções básicas e de entretenimento. (Fonte: Shutterstock/BeeBright/Reprodução)
Chips de automóveis controlam funções básicas e de entretenimento. (Fonte: Shutterstock/BeeBright/Reprodução)

Os carros novos costumam incluir dezenas de microprocessadores que precisam dos wafers para atuarem como um pequeno semicondutor para os chips. O componente eletrônico é extremamente importante para funções dos veículos novos, como as dos sistemas de infoentretenimento, além de peças mais básicas, como de direção hidráulica e freios.

As montadoras estão lutando para obter suprimentos dos chips, os quais têm prazos de entrega que podem chegar a 26 semanas devido à sua complexidade. Como os eletrônicos estão no início da cadeia de abastecimento, a escassez dos componentes causa um efeito cascata em toda a cadeia produtiva de automóveis.

Impacto na produção global

Retomada de produção na fábrica da Renesas pode demorar até seis meses após o fogo que destruiu 11 unidades de produção. (Fonte: Reneas/Reprodução)
Retomada de produção na fábrica da Renesas pode demorar até seis meses após o fogo que destruiu 11 unidades de produção. (Fonte: Reneas/Reprodução)

O incêndio chegou em um momento em que grande parte das montadoras já tinha reduzido seus planos de produção. O incidente derrubou o valor das ações das japonesas Nissan, Honda e Toyota, mas o impacto da paralisação da Renesas deve atingir grande parte das montadoras. Ainda não é possível calcular os efeitos do incêndio, afirmam os executivos da BMW, Volkswagen e Renault. 

Prejuízo econômico

Antes do episódio, a empresa de consultoria AlixPartners calculou que a falta dos semicondutores traria um prejuízo de US$ 60 bilhões para toda a indústria automobilística mundial.

No início do ano, a General Motors tinha anunciado que a falta de chips poderia reduzir seus ganhos em até US$ 2 bilhões este ano, e a Ford Motor esperava uma redução em seu resultado de até US$ 2,5 bilhões em 2021. Devido à escassez de chips, antes do incidente, a Honda e a Nissan já esperavam vender 250 mil carros a menos até o final de março.

Fonte: Reuters, CNBC, Jornal do Carro.

O Estadão Summit Mobilidade Urbana será online e gratuito. Inscreva-se agora!

Este conteúdo foi útil para você?

99400cookie-checkIncêndio em fábrica no Japão afeta a produção global de carros