Por que Barcelona é chamada de Smart city 3.0?

19 de julho de 2020 5 min de leitura
Por que Barcelona é chamada de Smart city 3.0?

Junto de Viena, Singapura, Copenhague e São Francisco, o município de Barcelona é um dos mais inovadores e bem-planejados do mundo. Porém, além de figurar no ranking das cidades mais inteligentes da atualidade, a capital da Catalunha tende a ser vista como totem do que se costuma chamar smart city 3.0.

O que é uma smart city 3.0?

A cidade inteligente 3.0 está pautada em um viés de transformação urbana, que inclui a comunidade de maneira mais integrada. (Fonte: Shuttertsock)

Pesquisadores do segmento de cidades inteligentes classificaram a consolidação das smart cities em três diferentes estágios: no primeiro, encontram-se as cidades inteligentes 1.0, municípios onde as tomadas de decisão são direcionadas pela tecnologia; no segundo, estão as 2.0, nas quais são as demandas dos cidadãos e os governos que direcionam a tecnologia na busca por soluções urbanas; no terceiro e mais recente, estão as 3.0, pautadas em um viés mais inclusivo de transformação urbana, com maior foco no cidadão.

O Summit Mobilidade Urbana 2020 será online e gratuito. Inscreva-se!

Nessa fase, a comunidade é envolvida de maneira mais intensa nas estratégias de aprimoramento do espaço onde vive. Conforme explica a diretora de tecnologia de Barcelona, Francesca Bria, “a grande quantidade de dados possibilitada pela tecnologia pertence aos cidadãos”.

É nesse sentido que se faz importante encontrar novas regulações, estratégias e políticas, que coloquem a comunidade no centro das decisões tomadas e com base nessas informações.

Pensando em ampliar o acesso das pessoas aos dados, em Barcelona busca-se oferecer condições para que todos consigam manejá-los e criar formas de aperfeiçoar o conhecimento técnico da população.

Leia mais sobre propostas de mobilidade pelo mundo

Entre as medidas para isso está a criação de fóruns digitais pensados para incentivar as carreiras científica e tecnológica entre as crianças e de projetos, como a Vincles BCN, com o objetivo de ajudar idosos a superar quaisquer limitações que os impeçam de contribuir para o mundo digital.

Também integram essa proposta canais que possibilitam tomadas de decisões mais diretas pela população. Um exemplo é uma plataforma desenvolvida para reunir e testar propostas coletivas.

Tecnologia e sustentabilidade

Superquadras de Barcelona podem ser aprimoradas por meio de estratégias que levem em conta a participação popular. (Fonte: Shuttertsock)

O estágio 3.0 de Barcelona está em ascensão. O município segue “colhendo bons frutos” a partir de uma estrutura já consolidada e reconhecida no mundo todo. Suas famosas superquadras, por exemplo, deverão ser ampliadas juntamente com a atualização da estrutura urbana para esse cenário, especialmente no que diz respeito ao transporte coletivo.

Como fica a mobilidade em Paris com o fim da quarentena?

Com a redução da circulação de carros decorrente da ampliação do projeto das superquadras, as estações de metrôs — ainda mais demandadas — chegaram a ganhar elevadores inteligentes.

Como diversificar opções de deslocamento? Participe desse debate no Summit Mobilidade Urbana 2020.

Esses elevadores se adaptam às necessidades dos passageiros por meio da leitura de sua base de dados e se movem para o andar da plataforma antes da chegada do trem. Esse tipo de mecanismo é capaz de diminuir o gasto de energia, além de reduzir aglomerações e otimizar a rotina do cidadão.

Fonte: Barcelona Digital City, Urban Hub.

Curtiu o assunto? Clique aqui e saiba mais sobre como a mobilidade pode melhorar os espaços.

Gostou? Compartilhe!