O que a nova política de pedestres da Alemanha pode ensinar?

O que a nova política de pedestres da Alemanha pode ensinar?
Proposta estratégica aplica ao planejamento urbano os componentes "evitar, mudar e melhorar"

Mais de um quinto de todas as viagens realizadas na Alemanha são feitas a pé. A caminhada é um modo de deslocamento livre de emissões, silencioso e requer pouco espaço. Nesse sentido, o pedestre pode ser a solução para resolver inúmeros problemas urbanos.

Pensando nesses fatores, a Agência Alemã do Meio Ambiente (UBA) lançou um Plano Estratégico para Caminhadas em 2018, que é um modelo excelente a ser seguido por outros países a fim de desenvolverem seus próprios planos no intuito de trazer a mudança necessária aos espaços urbanos.

Entenda o projeto piloto de IoT a ser testado em Campinas

A estratégia de incentivo às caminhadas na Alemanha aplica os componentes principais da abordagem "evitar, mudar e melhorar" ao planejamento. O plano direciona mudanças no uso da terra e na forma urbana de encurtar viagens, desincentivando o uso de carros e incentivando caminhadas.

Estratégias do plano para pedestres da Alemanha

(Fonte: Shutterstock)

As cinco estratégias propostas na estrutura do plano são projetadas para melhorar os problemas sistêmicos que afetam a caminhada, em vez de focar no comportamento do usuário como o problema. Os pontos envolvem leis, padrões de calçada, financiamento, aprendizado com o ciclismo e integração entre os órgãos governamentais.

A legislação deve favorecer o pedestre

A lei de trânsito precisa ser repensada, com a inclusão de prioridade das travessias de pedestres em cruzamentos, limitar a velocidade máxima em 30 km/h para áreas urbanas e melhorar a execução da lei, com adaptação de aplicação de multas.

Padrões de qualidade de calçadas e travessias

As calçadas e áreas de travessias devem ter padrões estruturais mínimos, com largura suficiente, superfície plana e antiderrapante. Os locais de caminhada devem ser bem iluminados e com sinalização adequada. Os cruzamentos devem ser projetados de forma que os pedestres possam se mover livremente e com segurança sem longos tempos de espera e desvios.

Financiamento suficiente para o tráfego de pedestres

A política de pedestres precisa de ancoragem institucional, com responsabilidades bem-definidas e mais funcionários. Os programas de desenvolvimento urbano para caminhadas dos governos federal, estadual e municipal devem ser mais robustos. O tráfego de pedestres precisa de recursos suficientes para pesquisas, melhoria de instrumentos de atuação e de infraestrutura urbana. O planejamento das áreas de construção, meio ambiente, saúde, educação e pesquisa devem levar em consideração o tráfego a pé.

Aprender com o ciclismo

O desenvolvimento da promoção do ciclismo é uma história de sucesso e deve servir como modelo a seguir. Programas de estímulo ao uso de bicicletas, disponíveis na internet, conferências e seminários oferecem ótimos exemplos de ações que podem ser implantadas também para pedestres. No entanto, devem ser observadas algumas características especiais do tráfego a pé.

Mobilidade urbana: iniciativas também dependem do cidadão

Promoção do pedestre deve ser integrada

As políticas de incentivo aos pedestres devem ser integradas e fortalecidas entre os órgãos de governos nas três esferas, sendo consideradas questões transversais de departamentos, como planejamento urbano, meio ambiente e saúde. A estratégia nacional deve considerar que o incentivo a caminhadas não é uma questão apenas de deslocamento, mas também de interação social.

Metas até 2030

(Fonte: hanohiki / Shutterstock.com)

Em todo o país, o tráfego de pedestres pode ajudar a alcançar objetivos de proteção climática e desenvolvimento urbano sustentável. Uma estratégia nacional para pedestres é, portanto, uma base sólida no auxílio de orientação em cidades e municípios, a fim de desenvolver ainda mais os tópicos correspondentes. As sete principais metas do plano que devem ser alcançadas até 2030 são:

  • As caminhadas devem aumentar em toda a Alemanha: entre 27% e 41% em cidades principais, e de 23% a 35% em áreas rurais, na comparação com 2015.
  • O número de pedestres mortos por acidentes de trânsito deve diminuir em 20% no período de 15 anos.
  • Mais da metade da população deve se exercitar mais de 30 minutos por dia.
  • As pessoas com deficiência motora deverão ter uma mobilidade independente, sem assistência.
  • Reduzir o espaço para carros nas vias em um terço, com a finalidade de aumentar calçadas.
  • A densidade de carros será reduzida a um índice de 150 carros por mil.
  • Os trajetos dentro de regiões da cidade devem ser planejados para serem no máximo de 8 km, com objetivo de incentivar as caminhadas.

Fonte: The City Fix, DeutscheWelle, UBA.

Curtiu o assunto? Clique aqui e saiba mais sobre como a mobilidade pode melhorar os espaços.

Evento de Mobilidade - Evento de Mobilidade - Summit Mobilidade Estadão