Pedágio urbano: entenda o conceito e como funciona a medida

Pedágio urbano: entenda o conceito e como funciona a medida
Aprenda a partir de diversos exemplos aplicados no mundo todo

A aplicação do pedágio urbano é conceituada a partir do gerenciamento da mobilidade ou da gestão da demanda; logicamente, é o estabelecimento de um preço para o uso de um bem reduzido.

Com o aumento do custo financeiro, é gerada uma redução da demanda, e a ideia é taxar o motorista não somente pelo uso da via mas também pelo prejuízo que ele causa ao tirar o carro da garagem.

Trata-se de uma forma relativamente eficiente de combater os congestionamentos: desestimular o uso do carro e garantir arrecadação para o governo, além de benefícios para o meio ambiente.

(Fonte: Shutterstock)

A medida faz sentido em termos econômicos, afinal o espaço na via congestionada é um recurso escasso: se um carro o utiliza, outro não pode fazê-lo. O pedágio urbano elimina os níveis de congestionamento que ocasionam perda de tempo, aumento de acidentes e de emissão de poluentes. Assim, a implantação da medida resulta em uma melhoria na fluidez do tráfego.

Exemplos no mundo

Algumas grandes cidades, como Londres, Cingapura e Estocolmo, já implantaram a medida. Recentemente, Nova York aprovou a proposta de cobrar motoristas que decidam circular na área de Manhattan; a conta é registrada por meio de radares eletrônicos, podendo ser paga no mesmo dia (como a tarifa Zona Azul) ou no fim do mês (como os sistemas Sem Parar, Veloe e ConectCar).

(Fonte: Shutterstock)

Em Cingapura, a medida foi implantada em 1995, com a cobrança pelo uso de vias expressas e principais no acesso ao centro da cidade, direcionada a motoristas que utilizam a infraestrutura nos horários de pico.

Todos os veículos têm um leitor Smart-Card do qual são debitados os valores pelos portais eletrônicos com base no veículo, local, horário e dia da semana. Os reflexos foram positivos para a diminuição dos congestionamentos e benéficos para a população.

O pedágio foi implantado em Estocolmo em 2006 depois de testes. Por meio de um referendo, os moradores afirmaram serem a favor da cobrança, tornando-a permanente em 2007.

Atualmente, para dirigir no centro da cidade, o motorista precisa ter uma etiqueta especial no carro e fazer o pagamento de uma taxa equivalente a R$ 4 para entrar em ruas com restrições. A lentidão no horário de pico caiu, melhorando a qualidade de vida local.

Curtiu o assunto? Clique aqui e saiba mais sobre como a mobilidade pode melhorar os espaços.

Fonte: Money Times.

Evento de Mobilidade - Evento de Mobilidade - Summit Mobilidade Estadão