Como promover a mobilidade urbana sustentável no Brasil?

14 de junho de 2021 3 mins. de leitura
A mobilidade urbana sustentável visa melhorar a qualidade de ambientes urbanos com a redução de congestionamentos e da poluição atmosférica

A mobilidade urbana sustentável vem sendo amplamente discutida nos últimos anos. Ela visa combater os problemas causados pelo transporte tradicional, como o trânsito e a poluição do ar, trazendo um modelo de locomoção mais eficaz e menos poluente. 

Nesse sentido, diversas cidades ao redor do mundo têm buscado novas iniciativas, como o uso de teleféricos, veículos leves sobre trilhos (VLTs) e a criação de sistemas de bicicletas públicas. Mas como a mobilidade urbana sustentável pode ser promovida no Brasil? 

Transporte coletivo

A rede metroviária da capital paulista é composta de seis linhas, totalizando 96 quilômetros de extensão e 84 estações. (Metrô de São Paulo/Reprodução)
A rede metroviária da capital paulista é composta de seis linhas, totalizando 96 quilômetros de extensão e 84 estações. (Metrô de São Paulo/Reprodução)

A aposta no transporte coletivo e a desestimulação do transporte individual são vistas por diversos especialistas como uma solução para a melhora da circulação nas cidades. Para a mobilidade urbana sustentável, isso deve estar em conjunto com o uso de energias “limpas” e renováveis.

A implantação de ônibus elétricos, metrôs, trens e VLTs, em conjunto com a criação de ciclovias e esteiras rolantes, é vista como excelente alternativa para a sustentabilidade das cidades. Essas mudanças trazem diversos ganhos urbanos, como a redução da poluição atmosférica e sonora, com consequente melhora na qualidade de vida da população.

Nesse sentido, o VLT do Rio de Janeiro é um excelente exemplo. Movido a eletricidade, estima-se que em seus primeiros seis meses de funcionamento, cerca de 60 toneladas de CO2 deixaram de ser emitidas na atmosfera quando comparado a outros meios de transporte. 

Medellín, na Colômbia, destacou-se ao optar pelo uso de teleféricos em seu sistema de transporte de passageiros. Em conjunto com o uso integrado de metrô, ônibus e bicicletas, é considerada uma cidade-modelo para o mundo.

Transporte alternativo

A integração de patinetes elétricos e bicicletas no sistema de transporte coletivo é uma ótima opção para as cidades. (Unsplash/Reprodução)
A integração de patinetes elétricos e bicicletas no sistema de transporte coletivo é uma ótima opção para as cidades. (Unsplash/Reprodução)

O uso de bicicletas e patinetes elétricos vem se popularizando nos últimos anos e se intensificou desde o começo da pandemia por causa do grande número de pessoas que deixaram de utilizar o transporte coletivo (como forma de precaução). Oferecendo um baixo custo para o usuário, eles não geram a queima de poluentes e promovem a prática de exercícios físicos.

O compartilhamento de bicicletas, visto como uma alternativa para desafogar as ruas, já é adotado por diversas cidades no mundo, tornando-se popular e comum nos municípios brasileiros em 2018 com a chegada da Yellow Bike. 

Porém, com o encerramento dos serviços da Grow (empresa responsável pela Yellow) no país no começo de 2020, poucas cidades brasileiras mantiveram iniciativas similares.

Mudança do desenho urbano 

Algumas cidades mudaram o desenho urbano em prol da mobilidade urbana sustentável. Paris foi precursora do projeto “Cidades de 15 Minutos”, visando permitir que atividades diárias, como ir a supermercados e farmácias, estejam a uma distância máxima de 15 minutos a pé das residências.

O conceito traz um ritmo mais lento para a cidade e, à medida que os estabelecimentos ficam mais próximos das residências, o espaço que antes era utilizado para o deslocamento de automóveis é ocupado por outros meios de transportes. 

Entretanto, como o projeto envolve a reestruturação dos espaços urbanos, a adoção de algo similar no Brasil depende também de incentivos ao desenvolvimento local — longe dos grandes centros.

Fonte: Mobilize, Estadão.

Este conteúdo foi útil para você?

106271cookie-checkComo promover a mobilidade urbana sustentável no Brasil?