Projeto promete criar frota de ônibus elétricos em SP

3 de fevereiro de 2021 4 mins. de leitura
O programa Zebra financiará a transição do modal de cidades na América Latina, mas os desafios exigem outras medidas

Não apenas incentivar fontes energéticas mais limpas e sustentáveis, mas sim apostar no transporte coletivo para reduzir o uso de veículos particulares. Essa é a aposta do programa Zero Emission Bus Rapid-deployment Accelerator (Zebra), que promete impulsionar a substituição da frota de São Paulo e outras megalópoles latino-americanas por ônibus elétricos.

Conheça o maior e mais relevante evento de mobilidade urbana do Brasil

O movimento é encabeçado pela P4G, líder mundial em soluções urbanas sustentáveis que reúne entidades públicas, privadas e do terceiro setor. Ao todo, espera-se conseguir cerca de US$ 1 bilhão até 2021 para que o setor faça sua transição para energia elétrica.

Desde 2018 o tema é debatido e, por fim, sob liderança do Conselho Internacional de Transporte Limpo e da C40 Cities, o projeto está pronto para ser aplicado em São Paulo, Cidade do México e Medellín — três cidades com sistema de metrô próximo da saturação.

Formação de uma rede para a transição do modal

A transição para o modal elétrico depende de uma articulação entre diferentes atores da mobilidade. (Fonte: Shutterstock)
A transição para o modal elétrico depende de uma articulação entre diferentes atores da mobilidade. (Fonte: Shutterstock)

O objetivo do projeto é substituir os ônibus a diesel, que ainda correspondem à maior parte da frota dessas cidades, por ônibus elétricos. Espera-se assim a colaboração para um ar mais limpo, uma vez que os atuais veículos são fontes significativas das emissões de carbono que contribuem para o aquecimento global. 

A ideia responde a um conceito de “corrida para o zero”, ou seja, mover esforços para zerar o número de ônibus movidos a combustíveis fósseis. Para isso, é necessário envolver as prefeituras das cidades, os investidores do setor, as empresas fabricantes de veículos e as concessionárias que administram as frotas nos trajetos urbanos.

Espera-se criar um movimento que fortaleça a demanda por veículos mais sustentáveis e estabeleça compromissos entre os diversos atores para que o modal seja cada vez mais limpo e atrativo. Porém, se isso for necessário, está mirando apenas uma parte do problema, pois é preciso considerar outros atores que circulam com os ônibus nas vias paulistanas.

Para além do transporte público

A mudança da matriz energética dos ônibus é importante, mas corresponde a uma parcela pequena das emissões totais do trânsito paulistano. (Fonte: Shutterstock)
A mudança da matriz energética dos ônibus é importante, mas corresponde a uma parcela pequena das emissões totais do trânsito paulistano. (Fonte: Shutterstock)

Cerca de 60% das emissões dos gases de efeito estufa na capital paulista são provenientes do transporte. Isso explica a urgência de medidas que inovem a frota do transporte coletivo municipal. 

Pensando nisso, a prefeitura paulistana abriu licitações para a renovação de sua frota, a maior da América Latina, já contemplando novas medidas ambientais. Uma legislação de 2018 considera a transformação gradual dos veículos atuais para modelos de energia mais limpa. No entanto, a realidade da cidade exige medidas ainda mais ousadas. 

Embora a renovação da frota do transporte coletivo seja necessária, o mesmo deve ocorrer com os veículos particulares, um mercado que tem crescido, mas que esbarra em problemas práticos. Um deles se refere ao altíssimo custo desses veículos, ainda que durante a vida útil do veículo elétrico a recarga seja mais barata do que os combustíveis comuns e isso possa compensar o preço inicial do automóvel, ele ainda custa o dobro dos carros movidos a álcool e a gasolina.

Mais ônibus, menos carros

A transformação da frota é bem-vinda, mas outras medidas são necessárias. (Fonte: Shutterstock)
A transformação da frota é bem-vinda, mas outras medidas são necessárias. (Fonte: Shutterstock)

Por isso, mais que mexer na frota do transporte coletivo ou criar condições para que o mesmo ocorra nos veículos particulares — ambas medidas fundamentais e que devem guiar os gestores públicos —, é necessário que o transporte coletivo seja reformulado de forma que possa competir com o particular. 

Isso pode ocorrer por meio da integração de modais, com a criação de estacionamentos de bicicletas ao lado de estações de ônibus e metrôs, por exemplo, estimulando o uso de ônibus e também da mobilidade ativa, com benefícios para a saúde, a economia e o meio ambiente. 

Dessa maneira, um único ônibus pode tirar várias dezenas de carros da rua. Esse é o desafio com maior potencial de cuidado ambiental e melhoria na qualidade de vida da população. 

Fonte: Mobilize, P4G.

Já conhece o Estadão Summit Mobilidade Urbana? Saiba o que rolou na última edição do evento.

O que achou?
+1
0
+1
0
+1
0
+1
0
+1
0
+1
0
+1
0
Gostou? Compartilhe!