Formas urbanas: é melhor criar cidades dispersas ou compactas?

1 de abril de 2021 4 mins. de leitura
Cidades compactas, com alta densidade populacional, apresentam vantagens, mas é preciso ter planejamento para usufruir delas

As cidades podem ter uma “forma urbana” dispersa ou compacta. No primeiro formato, há baixa densidade populacional e casas distribuídas em grandes terrenos, demandando uso do transporte individual. No segundo, há vários pequenos centros e muita gente transitando em espaços menores, possivelmente a pé ou por meio de transporte público. Nessa comparação, surge a dúvida: uma forma é melhor do que a outra? 

O Estadão Summit Mobilidade urbana será online e gratuito. Inscreva-se agora!

Como explica a urbanista e pesquisadora Camila Maleronka ao portal do Instituto WRI Brasil, dividir as cidades entre “dispersas” e “compactas” é um tanto simplista, mas bastante didático. 

As primeiras são o estereótipo americano, com grandes terrenos individuais espalhados em enormes subúrbios, apresentando uma infinidade de ruas e vias expressas pelas quais as pessoas só se deslocam de carro. 

As segundas costumam estar associadas às metrópoles verticalizadas, com grandes prédios. Porém, é possível ter grande densidade sem prédios, como nas favelas brasileiras. Maleronka diz que as cidades latino-americanas costumam seguir uma mescla dos dois modelos, com áreas dispersas e compactas, gerando uma única forma urbana.

Cidades brasileiras mesclam um pouco dos dois modelos, compacto e disperso (Fonte: Shutterstock)
Cidades brasileiras mesclam um pouco dos dois modelos, compacto e disperso (Fonte: Shutterstock)

As vantagens e desafios das formas compactas

Por um lado, cidades compactas possibilitam: menor uso de transporte individual; serviços urbanos mais eficientes e acessíveis, como coleta de resíduos, energia elétrica e rede de água; melhorar o fluxo no comércio e a segurança, com um número maior de pessoas circulando pelas ruas. 

No entanto, isso exige planejamento, especialmente nas áreas de transporte público e de habitação. Afinal, não é benéfico transformar as cidades em “selvas de pedra”, repletas de arranha-céus que confinam um mar de gente em um espaço minúsculo, sem sol e privacidade. É essencial fazer um “acerto fino” entre densidade e dispersão.

Como pondera Maleronka, a solução para isso é relativamente simples: construir áreas de maior densidade perto de corredores de transporte coletivo, como metrô ou BRT (bus rapid transit). 

O caminho está nos planos diretores, que determinam como os terrenos serão usados em toda a cidade. Curitiba é um bom exemplo disso, com corredores de BRT, onde as construtoras só podem fazer prédios de uso misto e com um número mínimo de andares. Quanto mais longe do corredor, mais baixos os prédios. 

Curitiba, com seus corredores de BRT onde só podem ser construídos prédios altos, é um exemplo de cidade compacta (Fonte: WRI Brasil)
Curitiba, com seus corredores de BRT, onde só podem ser construídos prédios altos, é um exemplo de cidade compacta. (Fonte: WRI Brasil)

Densidade com inclusão social

O problema é que, com frequência, essas áreas mais densas e próximas ao transporte público acabam sendo alvos de especulação imobiliária e restritas às classes mais abastadas, que aproveitam as vantagens da cidade compacta. 

Por outro lado, os pobres acabam sendo obrigados a viver fora da área planejada, e isso gera a dispersão da forma urbana, com crescimento horizontal das cidades do mesmo jeito. 

É possível observar esse fenômeno em áreas pobres de várias metrópoles nos países em desenvolvimento, como Índia, Nigéria e o próprio Brasil. 

O caminho para lidar com isso passa, novamente, pelos planos diretores: é preciso pensar em leis de zoneamento mais inclusivas, fazendo uso de dispositivos como as parcerias público-privadas. 

Esse ideal de alta densidade próxima aos serviços e aos transportes públicos não precisa estar restrito às áreas nobres e centrais das cidades: adaptar e implementar o conceito de “cidade compacta” é algo que cada administração municipal deve fazer segundo a própria realidade, como explica Maleronka. 

Fonte: WRI Brasil.

Inscreva-se agora para o maior evento de mobilidade urbana do Brasil. É online e gratuito.

Este conteúdo foi útil para você?

98870cookie-checkFormas urbanas: é melhor criar cidades dispersas ou compactas?