Acidentes com carros autônomos: como podem ser evitados?

Acidentes com carros autônomos: como podem ser evitados?
Após acidentes, indústria de carros autônomos busca alternativas para prevenir novas ocorrências

O futuro com carros autônomos, que podem ser conduzidos sem um motorista, dá seus primeiros passos. Atualmente, empresas como Tesla, Uber e Waymo passaram a se dedicar à nova tecnologia, que se encontra em fase de testes em ambientes reais.

Em março de 2018, um carro autônomo da Uber na cidade de Tempe, estado do Arizona, nos Estados Unidos, causou o primeiro acidente fatal. Diante disso, as empresas têm buscado estratégias para deixar os veículos mais seguros.

Tecnologia versus segurança

Como garantir a segurança de passageiros, pedestres e outros veículos diante da possível popularização dos carros autônomos?

As empresas envolvidas sugerem como solução que o próprio carro verifique em tempo real, com o auxílio de câmeras e sofisticados algoritmos de reconhecimento, se a pessoa responsável será capaz de assumir o controle em casos de emergência.

Carros como o Cadillac CT6 e o Tesla Model S contam com modos de direção autônoma que podem ser instalados.

Cadillac Super Cruise steering wheel close up
(Fonte: Cadillac/Divulgação)

Enquanto os sistemas de direção automática estão ativos, câmeras vigiam o motorista, analisando detalhes como posição da cabeça e abertura e movimento dos olhos. Caso a pessoa desvie a atenção da estrada, são acionados diversos alertas e, em último caso, o carro estaciona.

Esses veículos se enquadram como semiautônomos, já que o próprio motorista decide quando acionar o sistema. Uma vez ativada, a inteligência artificial faz todo o trabalho de direção.

No caso do carro autônomo da Uber, havia câmeras registrando o ocorrido, incluindo uma câmera voltada para o rosto do motorista. No momento do acidente, o piloto de testes estava distraído, e um sistema de segurança e monitoramento poderia ter sido decisivo para evitar a colisão.

(Fonte: Tesla/Divulgação)

Mesmo com todos esses recursos, os carros semiautônomos não são à prova de falhas: poucos dias após o fatal acidente envolvendo o carro da Uber, um Tesla Model X colidiu contra um obstáculo levando seu condutor a óbito.

Segundo a própria fabricante, o seu sistema semiautomático, denominado Autopilot, estava ativado no momento do acidente. Em 2016, um Tesla Model S também registrou o primeiro acidente fatal da história da direção semiautomática.

Os desafios dos sistemas automáticos

A direção automática é eficiente, mas não é absoluta. Devido a isso, enquanto não há total segurança diante da eficácia dos computadores, as grandes empresas se empenham em vencer os desafios encontrados nos testes.

Evento de Mobilidade - Evento de Mobilidade - Summit Mobilidade Estadão