Apple patenteia sistema de carros autônomos

9 de abril de 2020 4 mins. de leitura
Com comandos semelhantes aos já disponíveis no iOS, empresa investe no que já funciona, otimizando-os para uma nova interface

A Apple sempre foi conhecida por caminhar na vanguarda da tecnologia. Desde o lançamento do iPod, que ajudou a difundir o MP3, até a apresentação do primeiro iPhone, a “Maçã” é mundialmente conhecida por buscar inovação a cada novo produto lançado no mercado.

Conheça o mais importante evento de mobilidade do Brasil

E justamente por esse motivo, quando começaram a surgir boatos de que a empresa estaria pensando em lançar seu próprio modelo de carro autônomo, em 2015, a informação não foi vista com surpresa, mas curiosidade. Afinal, de que forma a gigante da tecnologia de Cupertino iria surpreender o mundo dessa vez?

A resposta a essa pergunta começou a ser apresentada em 2017, quando o CEO da Apple, Tim Cook, deu uma entrevista à Bloomberg, afirmando que a empresa estava focada em desenvolver um sistema para um carro autônomo e não o próprio veículo. Com novas fichas na mesa, a Apple estava informando ao mundo que seu objetivo era garantir que os carros autônomos tivessem um sistema inovador, independentemente do modelo.

Agora, é possível ter uma ideia de como um veículo com um sistema da Apple funcionará graças a uma das patentes que a empresa solicitou. De acordo com o documento, será possível dar comandos ao carro por meio da voz e de gestos.

O mais interessante é que, em ambos os casos, os recursos funcionam de modo bastante semelhante ao que já é visto no iOS de iPhones ou iPads. Isso demonstra que a empresa pensa de maneira realmente integrada, focada em aproveitar ideias que já provaram funcionar.

Comando de voz

(Fonte: Shutterstock)

De acordo com o que é possível ver na patente solicitada pela Apple, quando um usuário autorizado entrar no carro, ele precisará dar apenas um comando simples, como “eu quero uma pizza”. A partir disso, o veículo irá para a pizzaria mais próxima ou com a melhor classificação, conforme estiver salvo no sistema.

Ele também poderá registrar endereços específicos, para que o carro vá direto a locais favoritos das pessoas cadastradas. Nesse caso, bastaria entrar no veículo e dizer algo como “eu quero ir ao parque”, e o carro irá ao parque onde a pessoa costuma praticar atividades físicas, por exemplo.

Em qualquer um dos casos, o veículo poderá ir pelo caminho mais curto, com o menor trânsito ou por aquele que passe pelas regiões mais calmas. É o usuário quem define quanta autonomia o carro terá. Caso ele queira decidir a rota, basta também informar com um comando de voz.

Controle de gestos

(Fonte: Shutterstock)

Aqui a integração ainda depende de m smartphone, mas de modo integrado ao comando de voz. Quando o passageiro passar por um lugar onde gostaria de parar, por exemplo, poderá avisar ao carro “pare ali”, e apontar o local por meio do aparelho. O sistema do veículo analisa o ambiente e, caso avalie que existe outro lugar mais seguro ou fácil para a manobra, irá oferecer a sugestão. Caso contrário, ele estaciona no lugar indicado.

Por fim, a patente indica a existência de uma tela sensível ao toque no interior do veículo, que permite ao usuário indicar onde ele pretende ir, bem como um lugar para estacionar. Com uma interface semelhante à já utilizada pela Apple, será possível cadastrar lugares para facilitar o deslocamento. Existe ainda um joystick digital para que o próprio usuário movimente o carro quando necessário.

É possível ainda que novidades sejam apresentadas no futuro, como utilizar sensores no interior do veículo para não depender de um smartphone no controle de gestos, ou ainda de essa patente nem chegar à fase de testes. De qualquer maneira, é interessante ver uma empresa como a Apple se dedicar ainda mais ao aperfeiçoamento de sistemas como esse.

Curtiu o assunto? Clique aqui e saiba mais sobre como a mobilidade pode melhorar os espaços.

Gostou? Compartilhe!