Como evitar acidentes de trem?

Como evitar acidentes de trem?
Acidentes que envolvem trem matam quase 12 vezes mais do que os com automóveis

Acidentes de trem não são comuns, mas quando acontecem atingem muitas pessoas. Em 2017, nos Estados Unidos, o índice de mortalidade por esse tipo de fatalidade foi quase 12 vezes superior se comparado aos óbitos causados por acidentes com carro.

De acordo com dados da Administração Federal de Ferrovias dos EUA, cerca de 12 mil acidentes de trem provocaram 818 mortes e 8,8 mil feridos, resultando em uma média de 15 óbitos por acidente nesse país. Enquanto isso, mais de 37 mil pessoas morreram e 2,7 milhões ficaram feridas em 6,5 milhões de acidentes nas ruas e rodovias norte-americanas, – uma média de 175 óbitos por ocorrência, conforme dados da Administração de Segurança Rodoviária dos Estados Unidos.

Como o Big Data pode ajudar a evitar acidentes?

No Brasil, entre 2006 e 2013, quase nove mil acidentes aconteceram nas ferrovias brasileiras, conforme último levantamento da Agência Nacional de Transporte Terrestres (ANTT). Os dados sobre acidentes no trânsito no país não fazem menção à letalidade do transporte ferroviário. Entretanto, em 2020, já foram registrados óbitos ocorridos em trilhos do Rio de Janeiro, de São Paulo, de Minas Gerais, do Paraná e de Pernambuco.

Principais causas de acidentes com trem

(Fonte: Pexels)

Entre as principais causas de acidentes de trem no Brasil, que geram descarrilamentos e atropelamentos, estão a estrutura precária da malha ferroviária e os problemas no material rodante, de acordo com a ANTT. Contudo, outros fatores também são relevantes, como a interferência de terceiros e as falhas humanas.

Ferrovia precária

A malha ferroviária sofreu um processo de abandono e sucateamento no final do século passado. Com isso, não é surpresa que as estradas de ferro representem perigo para o transporte sobre trilhos. Conforme dados da ANTT, problemas estruturais na via foram a principal causa de acidentes nas ferrovias brasileiras, responsáveis por 38% do total de ocorrências no período de 2006 a 2013.

Interferências externas

As estradas de ferro brasileiras são centenárias e foram construídas em áreas pouco habitadas. Contudo, com o crescimento populacional, em especial no interior do país, as cidades foram se aproximando das ferrovias. Além disso, os sistemas de transporte metroferroviários urbanos já foram implementados em áreas com grandes populações.

Metrôs e trens registram queda de 82% de demanda na última semana

Por essas razões, não é surpresa que intervenções externas podem causar problemas ao trânsito ferroviário. As interferências de terceiros foram a segunda principal causa de acidentes de trem no Brasil e representam 16% das ocorrências registradas pela ANTT.

Material rodante

O material rodante, que engloba locomotivas e vagões, foi a terceira maior causa de acidentes, representando quase 15% das ocorrências registradas pela ANTT. A idade média dos vagões do Brasil, em 2010, era de 25 anos, de acordo com a Agência Nacional de Transporte Ferroviário (ANTF).

Falhas humanas

Todo veículo operado por humanos são suscetíveis a erros. As falhas humanas foram responsáveis por 9% dos acidentes de trem no período verificado pela ANTT. Se comparado ao transporte rodoviário, o índice é relativamente baixo. Segundo dados do antigo Ministério dos Transportes, o fator humano foi a causa de 53,7% dos acidentes de trânsito entre 2007 e 2016.

Como evitar acidentes de trem?

(Fonte: Pexels)

Para evitar acidentes de trem, são necessários investimentos contínuos na manutenção da rede ferroviária, modernização tecnológica e renovação da frota, além de treinamentos de funcionários e campanhas educativas.

O Brasil vem fazendo a sua lição de casa. Em 1997, quando havia menos trens circulando, aconteciam 75,5 acidentes por milhão de trens/km no país, de acordo com a ANTF. Em 2018, foram 10,7 acidentes por milhão de trens/km, o que significa uma redução de mais de 86%.

Mobilidade urbana: iniciativas também dependem do cidadão

Esse resultado foi alcançado com o investimento de recursos financeiros públicos e privados. Sistemas de controle remoto e de gerenciamento de tráfego foram implantados nas ferrovias brasileiras. A idade média do material rodante, que era de 42 anos em 1990, deve passar para 18 anos em 2020.  

Além disso, campanhas de conscientização são realizadas constantemente para evitar acidentes de trem. De acordo com a ANTF, existem mais de 5 mil cruzamentos de vias com trilhos no Brasil, o que pode causar acidentes pela imprudência de pedestres e motoristas. A agência recomenda, ainda, a construção de viadutos, para oferecer segurança nessas travessias.

Fonte: ANTT, FRA, Ministério da Saúde, Ministério da Infraestrutura, BNDS.

Curtiu o assunto? Clique aqui e saiba mais sobre como a mobilidade pode melhorar os espaços.

Evento de Mobilidade - Evento de Mobilidade - Summit Mobilidade Estadão