Coronavírus: Itaú e Tembici criam campanha "Não vá de bike"

Coronavírus: Itaú e Tembici criam campanha "Não vá de bike"
De igrejas a bases militares, vários espaços estão sendo utilizados para montar redes de tratamento para a covid-19

A bicicleta está entre as principais alternativas ao transporte coletivo durante a quarentena. Mas a "Não vá de bike", campanha recente do Itaú e da Tembici, que oferecem bicicletas para aluguel em várias cidades brasileiras, tem pedido para que as pessoas evitem utilizar seus serviços.

A ideia é deixar as bikes disponíveis para quem realmente precisa delas, como entregadores e profissionais de saúde. Enquanto isso, quem pode ficar em casa mantém a quarentena para evitar que o novo coronavírus se espalhe.

As postagens pedindo que os usuários que puderem deixem de utilizar o serviço começaram a ser compartilhadas em 31 de março. A Tembici anunciou que não cobrará as mensalidades dos planos de quem não estiver usando o sistema.

Segundo a empresa, a medida continuará em vigor durante o tempo que durar o isolamento social para o combate à pandemia de covid-19. A companhia acredita que a isenção de cobrança é um incentivo para que as pessoas que não precisarem sair de casa para trabalhar em funções essenciais realmente não usem o serviço.

(Fonte: Tembici/Divulgação)

A Tembici afirma que continua com o serviço Bike Itaú em funcionamento por acreditar que as bicicletas são uma importante alternativa de transporte no combate à covid-19. De fato, para profissionais de saúde, funcionários de supermercados e outras empresas que não podem parar, pode ser mais benéfico ir para o trabalho pedalando ao ar livre do que usar o transporte público ou ir de carro.

Além disso, serviços de aluguel de bicicleta são muito utilizados por entregadores de aplicativos, importantes para que os restaurantes possam trabalhar com delivery e as pessoas continuem consumindo sem sair de casa.

Bogotá amplia ciclovias para conter expansão do coronavírus

Para manter aqueles que continuam utilizando o sistema protegidos, a Tembici está higienizando as bicicletas de acordo com as recomendações dos órgãos de saúde — com álcool 70% ou cloro. A empresa também recomenda que os próprios usuários tomem cuidados básicos, como lavar bem as mãos após utilizar as bikes e evitar tocar o rosto durante o trajeto.

O que se tem feito para conter o coronavírus em ônibus e metrôs?

Por fim, a Tembici salienta que está diminuindo suas operações e mantendo menos bicicletas nas estações. Dessa maneira, é possível minimizar o quadro de colaboradores nas ruas e proteger as equipes.

(Fonte: Unsplash)

Quem também pediu para os clientes não utilizarem seus serviços foi a Grin, startup focada no aluguel de patinetes. Em meados de março, a empresa anunciou que pausaria as atividades em São Paulo (SP), no Rio de Janeiro (RJ) e em Curitiba (PR) para que os colaboradores pudessem ficar em quarentena e os usuários fizessem o mesmo. No início de abril, a companhia liberou um novo plano mensal de aluguel de patinetes, focado em trabalhadores de funções essenciais, que precisam de uma solução rápida para chegar ao local de serviço.

É importante salientar que a recomendação de evitar deslocamentos, a não ser quando estritamente necessários, vale não apenas para os usuários de serviços de aluguéis de patinetes ou bicicletas mas para todos os brasileiros.

Fonte: Tembici, Meio & Mensagem, Grin.

Curtiu o assunto? Clique aqui e saiba mais sobre como a mobilidade pode melhorar os espaços.

Evento de Mobilidade - Evento de Mobilidade - Summit Mobilidade Estadão