Como animais selvagens conseguiram se adaptar a centros urbanos?

17 de junho de 2022 4 mins. de leitura
Destruição do hábitat aumenta o contato de animais selvagens com humanos em grandes cidades

O crescimento desordenado das cidades fez que os animais selvagens perdessem o seu hábitat e buscassem alternativas para a sobrevivência. Ainda assim, nos centros urbanos brasileiros, é possível observar a presença de aves e mamíferos, que se tornaram responsáveis por auxiliar no controle de pragas e na dispersão de sementes.

A fauna é atraída pela existência dos parques e de áreas de vegetação preservada ou reflorestada, que funcionam como espaços de abrigo.

Capivaras podem ser encontradas em diversas cidades brasileiras. (Fonte: Shutterstock/Reprodução)
Capivaras podem ser encontradas em diversas cidades brasileiras. (Fonte: Shutterstock/Reprodução)

A capacidade dos animais silvestres de se adaptarem ao ambiente urbano é chamada de sinantropia. As espécies da cidade vivem em uma maior densidade populacional, com menor território individual, comportamento mais sedentário e aumento do período de reprodução e da sua longevidade.

Mas nem todos os animais são iguais e se adaptam da mesma forma. Existem os exploradores urbanos, como pombos e ratos, que estão perfeitamente integrados aos espaços urbanos, e outros que não estão muito à vontade, mas frequentam a cidade atrás de alimentos. Há, ainda, espécies que fogem de seu hábitat por algum problema ou se perdem nas cidades.

Embora haja um número crescente de exemplos de evolução rápida induzidas pelo homem, inclusive provocando o surgimento de novas espécies de insetos, a maioria das adaptações comportamentais ou físicas depende do tempo. A degradação e reorganização dos ecossistemas torna o ambiente mais difícil para viver para grande parte das espécies.

Leia também:

Controle da presença de animais selvagens

Animais peçonhentos, como escorpiões, são considerados pragas urbanas. (Fonte: Shutterstock/Reprodução)
Animais peçonhentos, como escorpiões, são considerados pragas urbanas. (Fonte: Shutterstock/Reprodução)

O conceito de cidade, muitas vezes, é associado ao de civilização em contraposição à selva. Dessa forma, a presença da fauna silvestre em espaço urbano, muitas vezes, é vista como algo que deve ser eliminado. Esse sentimento é reforçado, ainda, por conta das doenças que podem ser transmitidas pelos animais selvagens.

Enquanto algumas espécies, como os escorpiões, tornaram-se uma verdadeira praga urbana e há programas públicos para a prevenção e o controle de sua difusão, outros animais são protegidos por lei e capturá-los ou agredi-los pode resultar em multa e até prisão.

Por isso, ao cruzar com uma espécie silvestre, as autoridades orientam que o contato deve ser evitado, e não é recomendável fornecer água ou alimentos. O procedimento correto é informar o Centro de Controle de Zoonoses, o Corpo de Bombeiros ou a Polícia Militar, que serão responsáveis pelo encaminhamento do animal.

Coexistência entre animais e humanos

As cidades devem abordar a gestão da vida selvagem em termos de conservação e coexistência, propiciando um ambiente saudável tanto para animais quanto para humanos.

A criação de corredores de passagem e a redução dos limites de velocidade contribuem para diminuir o risco de acidentes com a fauna silvestre presente nos centros urbanos.

A localização de áreas verdes, bem como a escolha de determinadas espécies de plantas, são instrumentos fundamentais para o manejo do hábitat. Algumas árvores, por exemplo, podem atrair ou repelir determinados animais silvestres.

Quer saber mais? Confira aqui a opinião e a explicação de nossos parceiros especialistas em Mobilidade.

Fonte: Bloomberg, Uninter, Secretaria Estadual de Infraestrutura e Meio Ambiente de São Paulo, Brasília Ambiental, Instituto Butantan, Governo de São Paulo

Este conteúdo foi útil para você?

141820cookie-checkComo animais selvagens conseguiram se adaptar a centros urbanos?