Conheça Trikala, a primeira smart city da Grécia

11 de julho de 2020 4 mins. de leitura
Pequena cidade rural da Grécia é considerada uma das 21 principais smart cities do mundo

A cidade de Trikala, na Grécia, era predominantemente rural até o início deste século. O município, a 300 km de Atenas, era conhecido por estar no caminho de Metéora, um patrimônio mundial reconhecido pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco).

Conheça o maior e mais relevante evento de mobilidade urbana do Brasil

Em 2004, autoridades decidiram transformar o local na primeira smart city da Grécia, enquanto a cidade enfrentava uma crise financeira grave, com uma dívida estimada em 45 milhões de euros.

O plano ambicioso deveria ser realizado até 2014, mas a prefeitura não tinha recursos. Então, o governo da cidade resolveu abrir as portas para empresas de tecnologias locais e começou a receber recursos financeiros da União Europeia.

Como o mercado de carros autônomos reage à crise da covid-19?

Trikala passou a realizar parcerias com empresas privadas, como Cisco, VivaWallet, Sieben e Parkguru. Seus 82 mil habitantes viram a cidade se tornar uma das 21 principais cidades inteligentes do mundo. As últimas inovações foram a implantação da tecnologia 5G e os testes com ônibus autônomos, em parceria com as empresas chinesas Huawei e Weichai.

Centro de controle da E-Trikala

O projeto de smart city da cidade ficou conhecido como E-Trikala. Todos os serviços da cidade inteligente são monitorados a partir de um centro de controle localizado no térreo da prefeitura. Os dados coletados são exibidos por meio da plataforma Cisco Smart + Connected, que cobre todo o planejamento espacial urbano, com os principais pontos de interesse do município.

O terminal é capaz de verificar a operação de hubs de rede sem fio gratuitos espalhados pela área urbana. Um sistema foi implementado para gerenciar a iluminação pública municipal de forma inteligente e alcançou uma economia de energia de mais de 60% em comparação com os sistemas de iluminação convencionais.

Brasil é o país menos preparado para receber carros autônomos

Toda a movimentação de água e esgoto é regulada por válvulas solenoides, ativadas eletronicamente por campos magnéticos. As reclamações e solicitações dos moradores também passam pela plataforma de controle, que é responsável ainda por gerenciar e divulgar os dados abertos do município.

Controle de tráfego

Iluminação de Trikala é controlada por sistema inteligente. (Fonte: Shutterstock)

A cidade conta com um sistema de monitoramento de operação de semáforos, em tempo real. O município registra e analisa dados de veículos que trafegam nas suas ruas. Trikala mede as concentrações de poluentes do ar, como micropartículas e níveis de ruído, avaliando continuamente a qualidade da atmosfera e os potenciais impactos na saúde pública.

Os estacionamentos são monitorados por meio de imagens e sensores, direcionando de forma mais eficiente os veículos para os locais vagos. Os moradores são informados em tempo real, tanto por meio do aplicativo de celular quanto pelas placas que estão instaladas em pontos centrais da cidade.

Pelo aplicativo, também é possível pagar o estacionamento. O sistema permite ainda que as autoridades de trânsito verifiquem e multem os automóveis estacionados de forma irregular.

Ônibus autônomos e 5G

Tecnologia 5G permite o teste em ônibus autônomos em Trikala (Fonte: Prefeitura de Trikala/Divulgação)
Tecnologia 5G viabiliza o teste em ônibus autônomos em Trikala. (Fonte: Município de Trikala/Divulgação)

A última inovação a que os moradores de Trikala tiveram acesso foi a implementação da tecnologia 5G para navegação de internet via celular. A alta de velocidade e a baixa latência de conexão permitirão à cidade implantar mais ferramentas baseadas em Internet das Coisas (IoT) com eficiência e segurança.

Cidades fakes são construídas para testar carros autônomos

O próximo passo para a smart city é implementar o serviço de ônibus autônomos. Antes que possam transportar passageiros na cidade, os veículos devem passar por um período de testes de nove meses. A primeira etapa da avaliação do serviço consiste em desenvolver as rotas por onde os ônibus deverão passar.

Caso o projeto tenha sucesso, esses veículos poderão operar com passageiros por um período inicial de dois anos. Os veículos autônomos são dirigidos por uma Inteligência Artificial que reconhece objetos na via e acessa uma base de dados com milhões de imagens coletadas na cidade. O sistema deverá ser capaz de personalizar seus percursos sem a intervenção humana.

Fonte: Startse, Technode, Cidade de Trikala, Smart City Press.

Curtiu o assunto? Clique aqui e saiba mais sobre como a mobilidade pode melhorar os espaços.

Gostou? Compartilhe!