Entenda como o pavimento das ruas pode ser fonte de poluição

20 de outubro de 2020 4 mins. de leitura
Asfalto libera gases que poluem a atmosfera e, em dias quentes, pode ser mais prejudicial que os próprios automóveis

Automóveis a combustão são frequentemente apontados como os principais culpados pela poluição atmosférica nas grandes metrópoles, mas eles não são os únicos: o pavimento pelo qual transitam também tem sua parcela de culpa.

Conheça o maior e mais relevante evento de mobilidade urbana do Brasil

Como apontou um estudo publicado recentemente pelo periódico científico Science Advances, o asfalto que cobre ruas e telhados em zonas urbanas emite gases que poluem o ar. Em dias quentes, essa liberação aumenta, de modo que no verão pode soltar mais gases poluentes do que os próprios carros.

Analisando além do óbvio

“Se queremos resolver nosso problema de qualidade do ar, vamos precisar expandir nossa visão para incluir fontes menos tradicionais”, afirmou Allen Robinson, engenheiro civil da Universidade Carnegie Mellon, à revista Popular Science. A afirmação faz todo sentido.

China cria estrada solar para combater poluição

As emissões de gases dos automóveis são conhecidas e analisadas há bastante tempo, tanto que as fabricantes têm investido em modelos mais econômicos e menos poluentes, mas sempre houve uma lacuna entre os dados de poluição observada no ar das grandes áreas urbanas e o que se podia realmente atribuir aos carros.

Grande parte dos gases poluentes dos centros urbanos vem de “fontes desconhecidas”. (Fonte: Unsplash)

Parte das emissões era considerada de “fontes desconhecidas”, e os cientistas tentavam descobrir de onde elas vinham, até que David Gentner, engenheiro químico e ambiental da Universidade Yale, fez experiências para tentar medir quanto o asfalto poderia contribuir para a parcela desconhecida da poluição atmosférica. 

Luz e calor fazem o asfalto poluir mais

Em seus experimentos, a equipe de Gentner colocou amostras de asfalto em fornalhas e as expôs a várias temperaturas e fontes de luz, como raios UVA e UVB emitidos pelo sol, enquanto mediam os gases lançados pelo pavimento.

As emissões dobravam quando a temperatura subia de 40°C para 60°C, algo nada incomum quando o sol bate no asfalto em um dia ensolarado de verão. A luz, aliás, aumentou a emissão de gases do produto em 300%, e a temperatura gerou uma liberação lenta e constante de partículas finas poluentes.

Em grandes metrópoles, a pavimentação pode ser até mais prejudicial que os próprios automóveis no verão. (Fonte: Unsplash)

Experiências ajudaram os cientistas a calcularem o impacto da pavimentação para a poluição em um cenário real, fazendo as contas do uso de asfalto no sul da Califórnia, nos Estados Unidos. O resultado é que o produto usado nas ruas e nos telhados da região pode contribuir tanto para a liberação de partículas finas poluentes quanto os veículos.

Os especialistas afirmam que no verão, quando há mais luz e calor em áreas urbanas desenvolvidas com mais asfalto, a pavimentação pode ser a principal fonte de gases poluentes.

Um avanço na direção certa

Os carros continuam tendo um grande papel na qualidade do ar (ou na falta dela) nas áreas urbanas, mas descobrir a participação do asfalto nessa equação é um importante avanço nas pesquisas para vencer o problema. O estudo realizado pela equipe de Gentner pode ajudar no desenvolvimento de compostos menos poluentes para pavimentação e menos sensíveis à luz e ao calor, por exemplo.

Além disso, os cientistas esperam que a descoberta auxilie a lançar luz sobre o papel de outros emissores de partículas finas “desconhecidas”, como tintas usadas na pintura de imóveis ou de faixas de trânsito, por exemplo. “Se vamos realizar progressos nessa área [da emissão de gases], precisamos pensar nessas fontes e em como nós as controlamos”, afirmou Gentner à Popular Science.

Fonte: Popular Science

Já conhece o Summit Mobilidade Urbana? Saiba o que rolou na última edição do evento.

Gostou? Compartilhe!