O que é a Política Nacional de Mobilidade Urbana?

7 de fevereiro de 2021 4 mins. de leitura
Aprovada em 2012, tem novo prazo para adequação de municípios com mais de 20 mil habitantes até abril de 2021

Nas últimas décadas, o Brasil passou por um processo acelerado de urbanização, com crescimento desordenado das cidades, a ampliação da frota de veículos motorizados e o declínio gradual dos transportes públicos. Essa conjunção de fatores motivou a criação da Política Nacional de Mobilidade Urbana (PNMU). Esta é fruto de um longo debate no Congresso Nacional sobre os transportes coletivos, iniciado em 1995, no qual diversas ideias foram anexadas ao projeto original, e a proposta passou a abranger aspectos mais gerais da mobilidade urbana.

Conheça o maior e mais relevante evento de mobilidade do Brasil

Em 2012, finalmente a Lei de Mobilidade Urbana (que estabelece a PNMU) conseguiu ser aprovada e sancionada, passando a estabelecer princípios, diretrizes e instrumentos para orientar os municípios no planejamento do sistema de transporte e de infraestrutura viários para circulação de pessoas e cargas, capaz de atender à população e contribuir para o desenvolvimento urbano sustentável.

Determinações da Política Nacional de Mobilidade Urbana

Política Nacional de Mobilidade Urbana prevê prioridade de veículos não motorizados e de transporte coletivo. (Fonte: Shutterstock)
Política Nacional de Mobilidade Urbana prevê prioridade de veículos não motorizados e de transporte coletivo. (Fonte: Shutterstock)

A Lei estabelece que os municípios com mais de 20 mil habitantes e localizados em regiões metropolitanas que não tenham elaborado o plano de mobilidade urbana até abril de 2021 estarão impedidos de receber recursos federais destinados à infraestrutura viária e a transportes públicos.

A PNMU busca garantir que os planos municipais de mobilidade sejam pensados de forma integrada a outras políticas de desenvolvimento urbano, como projetos de habitação e saneamento básico. 

Na espinha dorsal da legislação, está a priorização de transportes não motorizados sobre os motorizados e dos serviços de transporte público coletivo sobre o transporte individual, além da  integração entre os modos e serviços de transporte urbano, inclusive em cidades vizinhas.

A legislação promove mecanismos para garantir preços acessíveis no transporte público, vias exclusivas para ônibus e bicicletas, restrição de circulação de veículos privados em determinados horários e cobrança de tarifa para utilização de infraestrutura urbana, como estacionamentos públicos.

Importância da lei

Legislação prevê integração de transporte urbano entre cidades vizinhas. (Fonte: Shutterstock)
Legislação prevê integração de transporte urbano entre cidades vizinhas. (Fonte: Shutterstock)

A Lei de Mobilidade Urbana é um importante instrumento de planejamento que deve definir objetivos, metas, ações e projetos para solucionar problemas e alcançar as metas traçadas em relação ao sistema de mobilidade urbana de uma cidade de forma integrada.

Entre os principais objetivos definidos pela PNMU, estão a redução das desigualdades e a promoção de inclusão social, bem como o acesso a serviços básicos e equipamentos sociais. 

A legislação também procura promover o desenvolvimento sustentável, com a mitigação dos custos ambientais e socioeconômicos dos deslocamentos de pessoas e cargas nas cidades, com o incentivo ao desenvolvimento e ao uso de energias renováveis e menos poluentes.

Além disso, a legislação busca consolidar a gestão democrática como instrumento e garantia da construção contínua do aprimoramento da mobilidade urbana, para que as pessoas possam participar do processo de elaboração do Plano de Mobilidade, bem como no controle social do planejamento e na avaliação e fiscalização de sua implementação.

Aplicação da PNMU no Brasil

Apesar de sua importância, apenas 5,58% de todos os municípios brasileiros têm planos de mobilidade urbana, de acordo com levantamento realizado em julho de 2019 pela Secretaria Nacional de Mobilidade e Serviços Urbanos (Semob). 

Segundo regras estabelecidas pelo decreto, cerca de 3.342 cidades deveriam ter planos de mobilidade, mas apenas 311 tem. Esses municípios representam 35% da população nacional, sendo que 245 deles estão nas regiões Sul e Sudeste.

Essa baixa adesão compromete a viabilidade da PNMU. A falta de um plano de mobilidade urbana pode inviabilizar investimentos federais nos municípios que não cumprirem a legislação, em especial naqueles com menor capacidade financeira. Sem a aplicação da lei, as cidades terão mais dificuldades para resolver os problemas crescentes de mobilidade urbana.

Fonte: Presidência da República, Senado Federal, ITDP, Ipea.

Já conhece o Estadão Summit Mobilidade Urbana? Saiba o que rolou na última edição do evento.

O que achou?
+1
0
+1
0
+1
0
+1
0
+1
0
+1
0
+1
0
Gostou? Compartilhe!