O que são parques lineares urbanos?

28 de junho de 2020 4 mins. de leitura
Além de auxiliarem na recuperação dos rios e córregos, os parques lineares podem ampliar o fluxo de ciclistas e pedestres

Os parques lineares, como o nome sugere, têm comprimento maior que a largura, formando uma “linha” de área verde. Eles são construídos paralelamente a cursos d’água, como rios e córregos, acompanhando seus trajetos.

Dessa maneira, configuram muito mais do que um espaço de lazer e convivência que deixa a cidade mais bonita e agradável, sendo também importantes para a preservação dessas áreas, chamadas pelos especialistas de “fundos de vale”.

Conheça o maior e mais relevante evento de mobilidade urbana do Brasil

Como explica a arquiteta e urbanista Mariana Corrêa Soares, em matéria publicada pela agência de notícias da Universidade de São Paulo, esses espaços foram frequentemente ocupados por grandes avenidas e construções, com muitos cursos d’água canalizados em galerias, debaixo da terra, ou virando depósitos de lixo e esgoto. A proposta dos parques lineares é recuperar as várzeas de rios e córregos com vegetação e torná-las espaços mais amigáveis às pessoas.

Parque Linear Aricanduva, na Zona Leste de São Paulo (Fonte: Prefeitura de SP/Reprodução)
Parque Linear Aricanduva, na Zona Leste de São Paulo. (Fonte: Prefeitura de São Paulo/Reprodução)

Uma solução para um grave problema

A principal razão pela qual cada vez mais cidades têm investido em parques lineares é a recuperação e a preservação dos cursos d’água. Mais do que uma preocupação ambiental, envolve outro grave problema que muitas metrópoles brasileiras enfrentam com frequência: as inundações. Com tantos cursos d’água canalizados em galerias, há menos espaço para que as chuvas escoem, o que é agravado pelo excesso de pavimentação (e impermeabilização) das cidades, com suas grandes avenidas.

À medida que os parques lineares recuperam rios e córregos, além de aumentarem a impermeabilidade do solo nas várzeas, auxiliam no escoamento de água das chuvas e na diminuição dos alagamentos.

O que é lockdown e como ele impacta a mobilidade?

Os espaços também contribuem para outras questões ambientais das cidades. “Essa rede de possíveis áreas verdes traz contribuições naturais da vegetação na cidade, como sequestro de carbono, contribuindo para uma melhor qualidade do ar”, explicou Soares. Por fim, criam mais áreas com sombras, diminuindo as ilhas de calor na região.

Parque Linear Cajuru, em Curitiba (Fonte: Prefeitura de Curitiba/Reprodução)
Parque Linear Cajuru, em Curitiba. (Fonte: Prefeitura de Curitiba/Reprodução)

Parques diferentes

Além de serem “compridos”, os parques lineares têm outra característica particular: são espaços abertos na cidade, sem área delimitada, portões ou desenho regular. Mesmo assim, podem ser importantes pontos de lazer e realização de atividades físicas para os moradores da região. “Em muitos casos, o parque linear surge para essa população como único local de lazer, com possibilidade de oferecer espaço para práticas recreativas, esportivas ou de contemplação e contato com uma área verde ou participação em eventos culturais”, explicou Soares.

Gestão coordenada do território ajuda a tornar as cidades mais justas

Dessa maneira, essas áreas verdes também auxiliam na reocupação dos espaços por pessoas, servindo como incentivo para a mobilidade ativa. Para isso, é interessante que sejam aliadas à estrutura cicloviária da cidade, pois, uma vez que se estendem ao longo dos rios e, muitas vezes, de avenidas, esses parques podem se tornar importantes corredores para ciclistas e pedestres.

Como conter a gentrificação e ampliar o acesso à cidade?

A tendência dos parques lineares representa uma quebra no padrão de urbanização do século 20, que escondia a natureza e privilegiava a pavimentação e as grandes avenidas. Como escreveu a pesquisadora da USP em sua dissertação de mestrado sobre o assunto, os parques lineares “possibilitam um resgate do sítio natural em meio à cidade que nele se desenvolveu, favorecendo a reconexão do homem urbano à natureza da qual somos todos parte, ainda que vivendo em uma grande metrópole”.

Fonte: Agência de notícias da USP, Prefeitura de Toledo

Curtiu o assunto? Clique aqui e saiba mais sobre como a mobilidade pode melhorar os espaços.

Gostou? Compartilhe!