Summit Mobilidade

Principais tipos de cinto de segurança automotivo

29 de maio de 2022 4 mins. de leitura
Conheça os principais modelos de cinto de segurança automotivo e como eles podem salvar vidas

Apesar de hoje sabermos a importância do cinto de segurança, ele não era popular até os anos 1980. O produto foi desenvolvido em 1903, mas só foi utilizado em carros a partir da década de 1950, quando um modelo de dois pontos, conhecido como cinto abdominal, apareceu em um Corvette, da Chevrolet.

O Brasil foi um dos países pioneiros em tornar o item um acessório obrigatório, em 1968. Essa lei, entretanto, foi revogada anos depois, e a obrigatoriedade só foi definida no fim da década de 1970. A fiscalização mais rigorosa que fez o cinto de segurança ficar realmente popular no País foi reflexo do novo Código de Trânsito Brasileiro (CTB), em 1997, com a definição de que motoristas e passageiros são obrigados a usar o item em qualquer via pública do Brasil.

Conheça quatro tipos de cinto de segurança automotivo.

1. Cinto de segurança automotivo de dois pontos

Esse foi o primeiro tipo de cinto utilizado, cujo objetivo é, basicamente, impedir que o corpo seja lançado para fora do veículo em caso de colisão. Com o tempo, foi deixando de ser utilizado, pois causava a chamada “síndrome do cinto de segurança”, quando a quantidade de pressão exercida na região pélvica em caso de acidentes podia causar danos na lombar. Hoje, é utilizado apenas no assento do meio de carros, em ônibus e aviões.

2. Cinto de segurança automotivo de três pontos

O cinto de três pontos é o mais comum e atualmente usado em todos os carros populares que saem de fábrica no Brasil. Seu objetivo é o mesmo do cinto de dois pontos, mas tem a vantagem de, com a faixa que passa pelo tórax e pelos ombros, distribuir a força em caso de impacto, diminuindo as chances de lesões.

Para que o cinto funcione corretamente, os três pontos devem estar em locais bem fixados do carro, a faixa deve estar em bom estado e o passageiro ou motorista devem estar sentados com a coluna ereta, bem apoiada.

3. Cinto de segurança automotivo de cinco pontos

Esse modelo é usado em alguns carros de corrida, mas funciona da mesma maneira que o cinto de segurança automotivo infantil presente em cadeirinhas. Ele tem dupla proteção nos ombros e liga as correias entre as pernas da criança ou do motorista.

4. Cinto de segurança automotivo de seis pontos

O modelo de seis pontos é novo e foi inventado para ser usado em alguns carros de corrida com o objetivo de dar mais proteção para o pescoço do motorista.

Modelo de três pontos é o mais recomendado e mais utilizado nos carros comuns. (Fonte: Shutterstock/Reprodução)
Modelo de três pontos é o mais recomendado e utilizado em carros comuns. (Fonte: Shutterstock/Reprodução)

Dados sobre o cinto de segurança automotivo

Apesar de todos os dados disponíveis sobre o cinto de segurança e todas as campanhas para o uso do item, muitos brasileiros ainda não reconhecem a necessidade de usá-lo. Um estudo da Pesquisa Nacional de Saúde (PNS), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), mostrou que 20,6% da população afirmam não usar o cinto nos bancos frontais; nos bancos traseiros, a proporção chega a quase 50%.

Apesar da sensação de segurança que o banco traseiro promove, em uma colisão, pessoas sentadas nesse banco e sem o cinto podem ser arremessadas, colidindo com os passageiros da frente e aumentando a chance de lesões e óbitos.

Um estudo da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) mostra que pelo menos 50% dos acidentes graves acontecem em uma distância de até 50 quilômetros de casa. Oito em cada dez passageiros que morrem pela falta do uso do cinto de segurança são vítimas de acidentes nos quais um dos veículos trafegava em velocidade de até 20 quilômetros por hora. Em outras palavras, estar perto de casa e em velocidade baixa não é sinônimo de proteção, então o cinto deve ser usado sempre que se estiver dentro do carro.

Leia também:

Shotgun houses: um legado arquitetônico de New Orleans

Por que a ABNT trocou o termo “acidentes” por “sinistros”

Favela: o que é e como foi seu surgimento

Quer saber mais? Confira aqui a opinião e a explicação de nossos parceiros especialistas em Mobilidade.

Fonte: Minutos Seguros, Automotivo Shopping, Vida de Motorista.

137940cookie-checkPrincipais tipos de cinto de segurança automotivo