Summit Mobilidade aborda caminhos para o carro elétrico no Brasil

19 de maio de 2022 6 mins. de leitura
Especialistas apontam potencial de o Brasil se tornar líder global em eletrificação dos meios de transporte, no penúltimo dia do Summit Mobilidade 2022

Os caminhos para um transporte urbano mais sustentável no Brasil e as transformações nas cidades brasileiras foram os temas abordados por especialistas e representantes de grandes empresas do setor no quarto dia do Estadão Summit Mobilidade 2022, nesta quinta-feira (19). O evento, que acontece de forma online e gratuita, vai até amanhã (20).

Perspectivas da eletrificação no Brasil

“O Mercosul tem as principais reservas dos minérios estratégicos dessa revolução”, apontou Maluf.
“O Mercosul tem as principais reservas dos minérios estratégicos para a revolução da eletrificação”, apontou Maluf. (Fonte: Summit Mobilidade 2022/Reprodução)

O mundo hoje passa por uma transformação grande tanto no setor automotivo quanto no energético, tornando-se mais digital, descentralizado e descarbonizado. As novas tecnologias de eficiência energética aprovadas nos Estados Unidos, na Europa e no Japão servem como parâmetro para a indústria automotiva avançar na fabricação dos veículos elétricos.

O Brasil tem amplo mercado consumidor, parque industrial desenvolvido, acesso a matérias-primas e tecnologias sustentáveis implantadas e pode aproveitar o momento para se tornar um dos líderes globais durante a transição verde. No entanto, o País ainda precisa superar desafios para concretizar essa possibilidade.

“Existe uma vontade e uma demanda, mas a implantação do ecossistema está em uma velocidade aquém do nível de possibilidade do Brasil”, afirmou Diogo Souto Maior, diretor de Políticas Públicas da 99 Tecnologia. Ele apontou que a popularização dos carros elétricos esbarra nos altos preços praticados pelo mercado e na falta de infraestrutura de recarga.

A principal solução para a questão seria a construção de uma Política Nacional de Eletromobilidade para coordenar as ações, inclusive com incentivos tributários. “Um veículo elétrico de entrada paga o dobro de IPI [Imposto sobre Produtos Industrializados] de um carro a combustão”, comentou Adalberto Maluf, diretor de Marketing e Sustentabilidade da BYD Brasil.

É necessário, ainda, conscientizar a população sobre as vantagens financeiras, ambientais e sociais dos automóveis elétricos. “Esse evento é um divisor de águas. A partir do Summit Mobilidade 2022, o Brasil finalmente entra na rota e vai acelerar a transição”, considerou Carlos Motta, diretor-executivo (CEO) da Kers, startup de tecnologia para mobilidade sustentável.

A visão de grandes montadoras

Os biocombustíveis associados a bateria elétrica podem gerar um sistema de mobilidade com sequestro de carbono. (Fonte: Summit Mobilidade 2022/Reprodução)
Biocombustíveis associados a bateria elétrica podem gerar um sistema de mobilidade com sequestro de carbono. (Fonte: Summit Mobilidade 2022/Reprodução)

O caminho de uma mobilidade sustentável envolve outras tecnologias além dos carros elétricos. “O inimigo é o carbono, e não o motor a combustão”, destacou Roberto Braun, vice-presidente da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea). Existem diversas tecnologias nesse sentido, como biocombustíveis e veículos híbridos.

A motorização híbrida, inclusive, pode ser uma forma de introduzir a eletrificação para os consumidores brasileiros. “Você continua utilizando o motor a combustão no dia a dia e tem uma otimização pelo suporte da bateria do motor elétrico”, explicou Oswaldo Ramos, diretor de operações (CCO) da GWM Brasil.

Enquanto as vendas de veículos elétricos representam mais de um quarto do total na Alemanha e na China, no Brasil esse tipo de automóvel tem apenas 2% de participação no mercado. Com isso, a indústria prefere oferecer produtos destinados a um segmento da população com maior poder aquisitivo.

“O mercado brasileiro ainda é de nicho, o que permite sermos mais agressivos na virada tecnológica”, disse João Oliveira, diretor-geral de Operações e Inovação da Volvo Car Brasil. A montadora suspendeu a oferta de qualquer veículo que não tivesse nenhum nível de eletrificação no mercado brasileiro — iniciativa antes tomada apenas na Noruega.

Em todo o mundo, a eletrificação mais forte começou com as grandes frotas de empresas, e o Brasil deve seguir esse caminho. Para tanto, um novo ecossistema deve ser criado, especialmente para o abastecimento dos veículos. “O estacionamento virará o posto de abastecimento do futuro”, defendeu André Iasi, CEO da Estapar.

Confira como foram os outros dias do Estadão Summit Mobilidade 2022:

Soluções para mobilidade sustentável

O automóvel elétrico está sendo projetado, desenhado e validado no Brasil. (Fonte: Summit Mobilidade 2022/Reprodução)
O automóvel está sendo projetado, desenhado e validado no Brasil, o que abre mais oportunidades para o mercado nacional. (Fonte: Summit Mobilidade 2022/Reprodução)

O mundo precisa utilizar todas as ferramentas disponíveis para alcançar a mobilidade sustentável. “Não existe ‘bala de prata’. Vamos ter de utilizar todas as tecnologias, todos os modais para atingir a redução de carbono”, avaliou Besaliel Soares Botelho, presidente da Associação Brasileira de Engenharia Automotiva (AEA).

O setor privado está liderando a transformação, mas precisa de suporte do governo para continuar avançando. “O trabalho deve ser integrado e realizado de maneira equilibrada nos sentidos ambiental, econômico e social”, afirmou João Irineu Medeiros, diretor de Assuntos Regulatórios e Compliance de Produto da Stellantis para a América do Sul.

O Brasil tem uma matriz energética diversificada e limpa, especialmente com a experiência de décadas com os biocombustíveis. Isso pode ser utilizado a favor do País para abrir um leque de opções tecnológicas associadas à eletrificação e garantir um espaço de destaque no cenário da mobilidade internacional.

Centro de Controle Integrado de Mobilidade Urbana

Centro permite planejar melhor circulação de ônibus na cidade. (Fonte: Summit Mobilidade 2022/Reprodução)
Centro permite planejar melhor a circulação de ônibus nas cidades. (Fonte: Summit Mobilidade 2022/Reprodução)

O Summit Mobilidade também apresentou o case de mobilidade de Campo Grande (MS). Nos últimos cinco anos, a cidade conseguiu revitalizar a infraestrutura de transporte e implantou um Centro de Controle Integrado de Mobilidade Urbana, dando mais eficiência à gestão do sistema de transporte.

O município mantém 33% dos 600 semáforos conectados, permitindo a realização da maioria dos ajustes técnicos a distância. Com o sistema de posicionamento global (GPS) instalado em todos os ônibus, o centro permite o monitoramento em tempo real do transporte público. Câmeras e radares estão integrados para acompanhar o tráfego e rastrear veículos envolvidos em crimes.

No futuro, a cidade pretende oferecer outros serviços para o centro de controle, como o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) e a polícia. “O sonho está concluído em uma primeira etapa; agora é só ampliar”, concluiu Jaime de Lima Bruno, diretor-presidente da Agência Municipal de Transporte e Trânsito de Campo Grande-MS (Agetran).

O Summit Estadão Mobilidade continua até sexta (20). Inscreva-se agora. É online e gratuito!

Quer saber mais? Confira aqui a opinião e a explicação de nossos parceiros especialistas em Mobilidade.

Fontes: Summit Mobilidade Urbana 2022

Este conteúdo foi útil para você?

137100cookie-checkSummit Mobilidade aborda caminhos para o carro elétrico no Brasil