Summit Mobilidade: último dia debate como transformar as cidades

20 de maio de 2022 6 mins. de leitura
Evento Summit Mobilidade 2022 chega ao fim com discussões relevantes sobre a implantação do conhecimento da mobilidade urbana na prática

Na sexta-feira (20), o último encontro do Estadão Summit Mobilidade 2022 debateu caminhos para a transformação das cidades. Após cinco dias com discussões que reuniram acadêmicos, representantes do governo, ativistas e especialistas de mercado, o evento foi concluído com painéis sobre infraestrutura, sustentabilidade e a premiação do Vozes da Mobilidade. A lista completa dos convidados pode ser conferida aqui. Saiba mais sobre o que rolou.

Micromobilidade e infraestrutura

O painel Micromobilidade e infraestrutura sugeriu maneiras como as cidades podem se adaptar para se tornarem mais amigáveis aos ciclistas e pedestres. Ao analisar alguns dos problemas que tornam muitos municípios hostis para pedestres e ciclistas, Sergio Avelleda, ex-secretário de Mobilidade e Transportes da Cidade de São Paulo, citou o modo como as ruas foram pensadas: com foco na ocupação por zoneamento, largas vias para carros e pouco olhar para mobilidade ativa e micromobilidade.

Algumas das soluções propostas pelos especialistas da mesa para tornar a micromobilidade e a mobilidade ativa mais sedutoras seriam investir na integração de modas. Por exemplo, criar estruturas para carregar as bikes e patinetes no transporte público.

A diminuição dos limites de velocidade dos veículos também é uma medida que traz mais segurança às pessoas no mais diversos meios de transporte, e pode, por consequência, fazer os motoristas considerarem migrar de modal.

Por fim, os convidados problematizaram a simples importação das soluções de mobilidade das cidades europeias para o Brasil. Muitas são menores e tem outras demandas. Para os especialistas, um olhar direcionado e preciso para nossas questões específicas é fundamental nesse contexto.

Corrida para o Carbono zero

O segundo painel do dia “Dá para zerar as emissões no transporte?” abordou essa que é uma das principais questões para a mobilidade urbana atual. Cristina Albuquerque, gerente de Mobilidade Urbana do WRI Brasil, afirmou que a única tecnologia que está pronta para ser usada em grande escala e substituir os veículos a combustão é a dos carros elétricos.

Iniciativas com as de Santiago, no Chile, e Bogotá, na Colômbia, que investiram pesadamente e estão na vanguarda da substituição de veículos a combustão por veículos elétricos no transporte público são um exemplo a ser seguido. No Brasil, os projetos neste sentido ainda são tímidos, mas com grande potencial para o futuro, como nas cidades de São Paulo, São José dos Campos, Curitiba, Goiânia e Campinas.

Apesar dos veículos elétricos serem a alternativa principal, outras alternativas precisam continuar sendo exploradas. Andrea Santos, professora da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e pesquisadora do Painel Brasileiro de Mudanças Climáticas, afirmou que a mobilidade ativa também precisa entrar em cena nesse debate. Só a eletrificação não vai conter o caos ambiental.

Rafael Calabria, coordenador do Programa de Mobilidade Urbana do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec), também falou da importância da substituição dos carros particulares por veículos elétricos.

Por fim, os especialistas debateram sobre a necessidade de trazer as pessoas para o centro da mobilidade e adequar a maneira como a infraestrutura urbana foi pensada

Hidrovias como meio de transporte

Em seguida foi apresentado o Caso Smart Mobility do dia. Ao longo da semana, o quadro trouxe profissionais de mobilidade urbana para contar sua história e projetos para o futuro. O último dia do evento teve a presença de Alexandre Delijaicov, professor da Universidade de São Paulo (USP) e arquiteto da prefeitura paulistana.

Apresentação do Projeto do Hidronel de São Paulo. (Fonte: Summit Mobilidade / Reprodução)
Apresentação do Projeto do Hidroanel de São Paulo. (Fonte: Summit Mobilidade / Reprodução)

Segundo o professor, os rios de todas as grandes cidades são transformados em esgoto, o que causa uma série de dificuldades para a recuperação e manutenção das águas. Utilizar os rios como transporte contribuiria para recuperação e higienização das águas.

Futuro da mobilidade

O último painel do Summit Mobilidade 2022 debateu como os governos, em âmbito municipal, estadual ou federal, e as empresas podem transformar e melhorar a mobilidade urbana. Eliana Martins de Mello, pesquisadora do Centro de Estudos em Política e Economia do Setor Público, da Fundação Getúlio Vargas (FGV), sublinhou que as soluções tecnológicas das smart cities não devem ser instrumentos de desigualdade. Se uma tecnologia for acessível a uma parte da população, que por exemplo, tenha melhores celulares, então, deve-se repensar a política aplicada para sua implantação.

Nesse sentido, Eduardo Lousado, diretor do Departamento de Tecnologias Aplicadas do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações, falou dos esforços do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações em capacitar profissionais através de parcerias com o Ministério da Educação para que políticas públicas em diversos setores possam ser pensadas.

Samuel Salomão, que foi um dos fundadores da empresa líder em transporte por drones no Brasil, a Speedbird Aero, trouxe a visão de alguém de dentro da iniciativa privada. O setor de drones também precisa de melhores regulamentações para operar em nível nacional, para que, por exemplo, não haja acidentes com outros drones e até aviões.

Samuel aproveitou para desmistificar algumas ideias sobre os equipamentos. Por enquanto a ideia de um drone fazendo uma entrega na porta da sua casa é muito distante, mas eles já servem como alternativa para suprir a dependência do transporte rodoviário no Brasil em trechos específicos.

Prêmio Vozes da Mobilidade

O Summit Mobilidade 2022 foi encerrado com o Prêmio Vozes da Mobilidade, que homenageia pessoas e projetos que se destacaram criando soluções para a mobilidade urbana no Brasil.

Apresentação do Prêmio Vozes da Mobilidade do Summit Mobilidade 2022. (Fonte: Summit Mobilidade / Reprodução)
Apresentação do Prêmio Vozes da Mobilidade do Summit Mobilidade 2022. (Fonte: Summit Mobilidade / Reprodução)

Os trabalhos e projetos foram avaliados por uma banca examinadora formada por embaixadores do Mobilidade Estadão, acadêmicos, jornalistas e especialistas de mercado. Foram selecionados 10 trabalhos, dois de cada categoria, desenvolvidos no Brasil entre março de 2021 e março de 2022. Os ganhadores foram:

Categoria diversidade

1º lugar: Uber

2º lugar: MetrôRio

Categoria inclusão e oportunidade no mercado do trabalho

1º lugar: Entrega amiga – Bicicletaria Cultural

2º lugar: Favela express: Mobye

Categoria novas tecnologias

1º lugar: Autopass

2º lugar: Taksim

Categoria inovação

1º lugar: Tembici

2º lugar: Superparking

Categoria mobilidade consciente

1º lugar: Prefeitura de Fortaleza

2º lugar: Tembici

Fique ligado no Mobilidade Estadão e no Summit Mobilidade para a cobertura completa de cada um dos projetos vencedores.

Quer saber mais? Confira aqui a opinião e a explicação de nossos parceiros especialistas em Mobilidade.

Fonte: Summit Mobilidade Urbana 2022

Este conteúdo foi útil para você?

136961cookie-checkSummit Mobilidade: último dia debate como transformar as cidades