5 cidades do mundo que aderiram ao Visão Zero

25 de novembro de 2020 4 mins. de leitura
Conheça 5 cidades que se inspiraram na capital sueca e aderiram ao modelo de segurança viária do Visão Zero

Propostas de sistemas seguros de mobilidade, como o Visão Zero, adotado na Suécia, tem sido cada vez mais comuns. A Organização das Nações Unidas (ONU), por exemplo, estabeleceu a meta de reduzir as mortes no trânsito pela metade até 2030. 

Conheça o maior e mais relevante evento de mobilidade urbana do Brasil

O país se tornou uma referência por ter um dos trânsitos mais seguros no mundo a partir da adoção de medidas simples, como a redução de velocidade máxima em vias com fluxo intenso de pedestres. Diante disso, muitas cidades ao redor do mundo têm implantado iniciativas semelhantes. Conheça alguma delas — a começar, é claro, pela capital sueca!

1. Estocolmo

A mobilidade ativa é a principal forma de deslocamento em Estocolmo. (Fonte: Shutterstock)
A mobilidade ativa é a principal forma de deslocamento em Estocolmo. (Fonte: Shutterstock)

A capital da Suécia tem quase 10 milhões de habitantes, mas seu o trânsito, que poderia ser caótico, é um exemplo para o mundo porque é pautado no Visão Zero, modelo que visa zerar as mortes em deslocamentos. 

Essa é uma aposta que se refere a um novo conceito de mobilidade. Além de um potencial de investimento maior em infraestrutura, que é uma variável importante em relação à ocorrência de acidentes, a cidade possui uma cultura de transporte seguro que orienta a atenção pública ao assunto.

Não à toa, o encontro das Nações Unidas que estabeleceu a meta de reduzir as mortes no trânsito foi realizado lá, onde nasceu a Declaração de Estocolmo.

2. Nova York

Em Nova York, carros, ônibus, trens, metrôs e bicicletas concorrem pelo espaço viário. Até mesmo o céu da cidade é disputado: o tráfego aéreo é o mais movimentado do mundo. Por isso, a cidade mais populosa dos Estados Unidos decidiu se inspirar na capital sueca para reduzir os índices de mortalidade no trânsito. 

A fim de atingir esse objetivo, o poder público local tem agido para pouco a pouco transformar a cidade em um ambiente mais amistoso para pedestres: o governo tem planejado medidas como novo design urbano, melhoria da infraestrutura e redução da velocidade nas vias compartilhadas.

Além disso, a cidade vem pensando em reduzir o fluxo de veículos pessoais e dar mais centralidade ao transporte coletivo e à mobilidade ativa. Um exemplo é a política de pedágio urbano: no período comercial, os motoristas que decidirem transitar de carro particular na região central deverão pagar uma taxa a ser investida em modais alternativos, mais seguros e sustentáveis.

3. Amsterdã

A integração da ciclomobilidade com o transporte coletivo faz de Amsterdã uma das cidades mais seguras e sustentáveis para se locomover. (Fonte: Shutterstock)
A integração da ciclomobilidade com o transporte coletivo faz de Amsterdã uma das cidades mais seguras e sustentáveis para se locomover. (Fonte: Shutterstock)

A capital holandesa é o paraíso de qualquer ciclista: a cidade está entre as capitais mundiais que mais fazem uso desse modal. É comum que cidadãos tenham esse como o principal instrumento de transporte e até mesmo possuam diversas bicicletas espalhadas em pontos estratégicos da cidade.

Mas nem sempre foi assim. Há algumas décadas, Amsterdã apresentava índices alarmantes de mortalidade no trânsito, e foi necessário um duro período de adaptação para que os cidadãos gozassem de um sistema de segurança viária. Atualmente, a Holanda tem um dos menores números de incidentes. 

4. Minneapolis e Saint Paul

As cidades gêmeas estão na lista das que buscam segurança viária. Minneapolis e Saint Paul, capital do estado de Minnesota, nos Estados Unidos, formam uma conurbação urbana com tráfego intenso. Mas a gelada região, famosa por abrigar mais de 10 mil lagos, quer ser também ser conhecida pela qualidade na segurança do trânsito.

Em 2019, o estado todo teve 364 mortes. A meta é que em 2025 esse número não ultrapasse a marca de 225 óbitos — um horizonte desafiador, diante de um trânsito intenso e um modelo centrado no carro particular.

5. Wellington

A capital neozelandesa, Wellington, é uma cidade com pouco mais de 200 mil habitantes e poucas mortes no trânsito, a julgar pela média de outros países — sobretudo de outras capitais.

Mas a meta da cidade da Nova Zelândia é tão ousada quanto a de Estocolmo: a Estrada para Zero Mortes objetiva zerar as mortes no trânsito até 2030. Apesar de a meta ser de difícil execução, ela cumpre um objetivo didático: não há mortes inevitáveis no trânsito. Por isso, as cidades precisam trabalhar no sentido de reorganizar seu layout e criar políticas cada vez mais seguras.

Fonte: NZ, Minnesota, Holanda, The City Fix Brasil.

Já conhece o Estadão Summit Mobilidade Urbana? Saiba o que rolou na última edição do evento.

Este conteúdo foi útil para você?

88930cookie-check5 cidades do mundo que aderiram ao Visão Zero