Como é a mobilidade urbana em Zurique?

27 de julho de 2020 4 mins. de leitura
Cidade mais populosa da Suíça transformou sua mobilidade urbana com restrição inteligente do uso de automóveis

A cidade mais populosa da Suíça, Zurique, está se tornando um exemplo internacional de mobilidade urbana. Os deslocamentos foram planejados para serem eficazes, sem prejudicarem as pessoas e o meio ambiente. E uma série de medidas vêm sendo tomadas para tornar o espaço urbano mais caminhável, permitindo maior qualidade de vida para os cidadãos.

Conheça o mais importante evento de mobilidade do Brasil

Desde meados da década de 1970, Zurique se compromete com uma política de transporte direcionada para as pessoas, dando prioridade para pedestres nas ruas e nos cruzamentos. A participação do transporte coletivo e de opções não motorizadas na cidade é alta para os padrões internacionais, refletindo o apoio político e social às medidas de mobilidade urbana.

Apenas 26% dos deslocamentos são realizados por veículos motorizados, como carros e motocicletas. Os trajetos por transporte coletivo representam 32% do total das viagens cotidianas, enquanto 42% são feitos por pessoas a pé e bikes. Esses números são resultado de uma estratégia coordenada e de longo prazo.

Compromisso histórico

Proibição de novos estacionamentos e controle de tráfego tornam Zurique livre de engarrafamentos. (Fonte: Emilija Miljkovic / Shutterstock)

Em 1996, Zurique adotou uma medida fundamental para restringir o uso de veículos em sua zona urbana. A cidade suíça proibiu a construção de novas vagas de estacionamento para carros em um decreto que ficou conhecido como “compromisso histórico”.

Desde então, não é possível construir áreas de estacionamentos, exceto se os novos locais estiverem substituindo outros já existentes. O mesmo decreto estabeleceu que o planejamento do espaço viário deve considerar outros modais, não apenas o automóvel.

Em 2012, os cidadãos rejeitaram uma proposta de lei que permitia a construção de estacionamentos. A cidade foi a primeira no país a adotar a ideia de “espaço pobre em veículos”, o que influenciou outras regiões a usarem medidas semelhantes.

Controle de tráfego

A metrópole suíça também implementou uma estratégia para controlar o número de veículos que circulam nas vias centrais da cidade. O principal objetivo da medida é evitar a ocorrência de engarrafamentos.

Um conjunto de 4,5 mil sensores implantados nas ruas monitora a quantidade de automóveis em circulação. Quando a capacidade máxima na região é alcançada, o tráfego é bloqueado até a diminuição do congestionamento.

Por que o transporte público de Curitiba é copiado no mundo?

O controle é realizado por semáforos inteligentes que adaptam o tempo de interrupção da entrada de veículos à necessidade do momento. O sistema tem a capacidade de melhorar o trânsito, reduzindo os intervalos médios de espera e proporcionando viagens mais rápidas para vários modais.

Rede de transporte coletivo

Sistema de transporte público de Zurique é integrado a vários modais e considerado de excelência. (Fonte:Roman Babakin / Shutterstock)

A rede de transporte público de Zurique é considerada pontual, limpa, confortável e com informações precisas, além de oferecer uma boa vista da cidade.

Todas essas características tornam a opção atrativa para deslocamentos urbanos. O sistema é baseado em Trams, semelhantes a veículos leves sobre trilhos (VLTs) integrados com trens intermunicipais, ônibus, trólebus e bondinhos.

O Summit Mobilidade Urbana 2020 será online e gratuito. Inscreva-se.

O conjunto multimodal transporta mais de 318 milhões de passageiros por ano em 654 veículos. A rede tem comprimento de 795 quilômetros, com salas de espera em 553 paradas e abrigos em 781 pontos.

Incentivo a pedestres e ciclistas

As autoridades públicas de Zurique implementaram, ainda, programas de incentivo ao uso de bicicleta e aumentaram as áreas para pedestres, com melhoria de espaços públicos e revitalização de zonas urbanas, com destaque para orlas de lagos.

A cidade estabeleceu zonas de restrição com ruas livres de carros e outras com limite de velocidade entre 20 quilômetros por hora e 30 quilômetros por hora, tornando o tráfego amigável e seguro para pedestres e ciclistas.

Fonte: ArchDaily, Mobilize, Swiss Info, The City Fix Brasil, SSATP

Curtiu o assunto? Clique aqui e saiba mais sobre como a mobilidade pode melhorar os espaços.

Gostou? Compartilhe!