Empresas chinesas de tecnologia apostam alto nos carros elétricos

12 de maio de 2021 5 mins. de leitura
Gigantes como Xiaomi, Baidu, Huawei e Alibaba já anunciaram bilhões em investimentos em carros autônomos e elétricos nos próximos anos

Com muita eletrônica embarcada e grandes telas em seus painéis, os automóveis estão cada vez mais se aproximando dos smartphones. Essa conexão faz ainda mais sentido quando pensamos nos carros elétricos e autônomos, com carregamento em tomadas e conectividade 5G. Nesse cenário, a movimentação das empresas de tecnologia no setor de mobilidade é bastante natural — e elas tendem a vir com tudo nos próximos anos.

Inscreva-se agora para o maior evento de mobilidade urbana do Brasil. É online e gratuito.

Os rumores de um “iCar” da Apple são alimentados desde os anos 2000, embora os planos ainda continuem bastante secretos e sem data definida para sair do papel — a última notícia, de janeiro, indica que a empresa da maçã firmou uma parceria com a fabricante sul-coreana Hyundai. A Alphabet, dona da Google, parece mais adiantada nos projetos da Waymo, sua divisão de táxis sem motorista. 

Mesmo assim, essas “big techs” americanas — e até as fabricantes de automóveis tradicionais — podem ficar para trás das gigantes chinesas em pouquíssimo tempo. Nomes como Xiaomi e Huawei (do setor de telecomunicações), Alibaba (do comércio eletrônico) e Baidu (software) estão anunciando investimentos de bilhões de dólares no segmento de carros elétricos e autônomos. Os projetos envolvem o fornecimento de tecnologias para outras fabricantes e também lançar automóveis próprios.

Fabricante Xpeng é conhecida como a
Xpeng é conhecida como a “Tesla chinesa” e mostra como o país está adiantado no segmento de carros elétricos. (Fonte: Xiaopeng/Reprodução)

Movimentação natural e evidente

De acordo com a Bloomberg, essa movimentação ficou mais evidente no último Salão do Automóvel de Shanghai, quando os estandes de empresas como a Baidu atraíram um número maior de visitantes do que os de muitas fabricantes tradicionais. 

À agência Reuters, a direção da empresa anunciou um investimento de 7,7 bilhões de dólares em sua nova iniciativa para carros autônomos, a Jidu Auto. Trata-se de uma joint-venture com a Geely, dona da Volvo, já reconhecida por seus automóveis elétricos.

O executivo Xia Yiping disse que a Jidu pretende fazer carros que lembrem robôs, com forte apelo ao público jovem. O plano é lançar o primeiro veículo ao público dentro de três anos, com novos modelos a cada ano ou ano e meio. A Baidu já tem projetos na área de mobilidade, sendo responsável pela versão chinesa do GPS, de modo que os carros elétricos são uma extensão natural de suas atividades. 

A Huawei, além de fabricar smartphones, é uma das líderes mundiais no fornecimento de tecnologias para o 5G — os carros autônomos são uma das principais aplicações da nova geração de conectividade móvel. Segundo a Bloomberg, a gigante chinesa deve investir cerca de 1 bilhão de dólares em pesquisa e desenvolvimento de soluções para mobilidade autônoma. 

Arcfox Alpha-S é uma das apostas da Huawei no setor de mobilidade (Imagem: Huawei/Reprodução)
Arcfox Alpha-S é uma das apostas da Huawei no setor de mobilidade. (Imagem: Huawei/Reprodução)

Entre carros próprios e parcerias

Em 2021, a Huawei lançou seu primeiro automóvel, o Arcfox Alpha-S. Sendo 100% elétrico, o carro tem um cockpit inteligente com uma grande tela de 20 polegadas. Ele funciona com o sistema HarmonyOS e um chip Kirin 990, ambos desenvolvidos pela Huawei. A empresa também produziu um sistema de mobilidade autônoma de alto nível, capaz de conduzir o carro sem auxílio de motorista — por enquanto, apenas nas quatro cidades já mapeadas (Beijing, Guangzhou, Shenzhen e Shanghai). 

Contudo, o Arcfox Alpha-S não foi lançado com o logotipo da Huawei em sua grade, pois o automóvel foi criado em uma parceria com a também chinesa BAIC. A Huawei também firmou parcerias com outros grupos, como Guangzhou Auto e Changhan. A ideia é ser uma submarca dessas fabricantes, oferecendo soluções como o HarmonyOS, os chips e a tecnologia de mobilidade autônoma. Segundo analistas ouvidos pela Bloomberg, mais do que os carros em si, a Huawei pretende lucrar com assinaturas de softwares. 

A Xiaomi, por sua vez, já anunciou que pretende investir 10 bilhões de dólares, nos próximos anos, em seus carros elétricos e autônomos. Embora ainda não tenha dado mais detalhes sobre os modelos ou as datas de lançamento, o executivo-chefe Lei Jun já afirmou que a empresa “tem muito dinheiro para investir nesse projeto”. 

Por fim, a gigante do e-commerce Alibaba também já firmou parcerias com outras fabricantes de automóveis, como a Xpeng, conhecida como a Tesla chinesa. No Salão de Shanghai, ela revelou o primeiro modelo de sua marca própria, o elétrico Zijhi L7. 

Gigante do e-commerce Alibaba mostrou seu primeiro automóvel no Salão de Shanghai de 2021 (Imagem: Zhiji/Divulgação)
A gigante do e-commerce Alibaba mostrou seu primeiro automóvel no Salão de Shanghai de 2021. (Imagem: Zhiji/Divulgação).

Fontes: Bloomberg, Reuters, BBC News, Jornal do Carro/Estadão.

O Estadão Summit Mobilidade urbana será online e gratuito. Inscreva-se agora!

Este conteúdo foi útil para você?

103450cookie-checkEmpresas chinesas de tecnologia apostam alto nos carros elétricos