Modelo centrado no carro individual custa caro para o Estado

10 de maio de 2021 3 mins. de leitura
Apostar no carro individual em vez de no transporte público faz o Brasil perder R$ 267 bilhões por ano

Nos últimos anos, a concentração populacional nas áreas urbanas em conjunto com a ampliação do acesso a políticas de financiamento em muitos países disparou a aquisição de veículos particulares, como carro e moto. Consequentemente, as cidades passaram a enfrentar diversos problemas relacionados ao trânsito, como acidentes e congestionamentos.

O Estadão Summit Mobilidade Urbana será online e gratuito. Inscreva-se agora!

Esses problemas custam bilhões de reais para os cofres públicos anualmente e geram impactos sociais e ambientais. Segundo dados divulgados pelo Instituto Nacional de Propriedade Industrial (Inpi), o Brasil perde R$ 267 bilhões por ano com congestionamentos — isso sem considerar os impactos na saúde.

Sem ações de mobilidade urbana, carros particulares podem continuar inflando o trânsito das cidades. (Pixabay/Reprodução)
Sem ações de mobilidade urbana, carros particulares podem continuar inflando o trânsito das cidades. (Pixabay/Reprodução)

Com caminhões parados no trânsito, fazendo menos entregas e gastando mais combustível, as indústrias precisam colocar mais carros nas ruas para suprir a demanda. Esses custos, somados à perda de produtividade e às horas extras dos funcionários, geram impactos negativos na economia brasileira e no bolso do consumidor final. 

Os congestionamentos também impactam a prestação de serviços de emergência, como ambulâncias, bombeiros, polícia e defesa civil, podendo acarretar maior quantidade de óbitos. 

Grande custo ao SUS

Segundo dados do Conselho Regional de Medicina do Estado da Bahia (Cremeb), a cada 60 minutos, em média, 20 pessoas dão entrada em hospitais da rede pública com graves ferimentos decorrentes de acidentes de trânsito no Brasil. De 2009 a 2019, esses atendimentos custaram R$ 3 bilhões ao Sistema Único de Saúde (SUS).

Além disso, segundo informações da Organização Mundial da Saúde (OMS), a poluição do ar pode contribuir para o aumento de problemas de saúde como ataques cardíacos, derrames, doenças do sistema respiratório e estresse, enfermidades que também geram custos para os cofres públicos. 

Como diminuir o custo para o Estado? 

VLT é visto como ótima alternativa para o transporte público de algumas cidades. (Freepik/Reprodução)
VLT é visto como ótima alternativa para o transporte público de algumas cidades. (Freepik/Reprodução)

A alternativa vista como a melhor pelos especialistas é a aposta na mobilidade urbana sustentável. Para isso, o governo deve realizar investimentos em transporte público e desestimular o transporte individual. Diversas cidades já estão criando políticas públicas para o uso de modais alternativos, ampliando ciclofaixas e até mesmo oferecendo ajuda de custo para a compra de bicicletas, como Bari, na Itália. 

Alguns especialistas também defendem a integração de todos os meios de transporte, como ônibus, trem, metrô e até mesmo aplicativos de transporte. O metrô do Rio de Janeiro tem parceria com a 99 e oferece descontos para passageiros que peçam o carro na ou para uma das estações de metrô como forma de estimular o transporte combinado. 

Em um futuro de cidades inteligentes é preciso que o tráfego também seja inteligente. O uso da tecnologia na mobilidade urbana poderá entregar melhor eficiência na logística ao mesmo tempo que fornece mais qualidade de vida para a população. 

Fonte: INPI, Cremeb, Portal do Trânsito, MetrôRio

Inscreva-se para o maior evento de mobilidade urbana do Brasil. É online e gratuito.

Este conteúdo foi útil para você?

103770cookie-checkModelo centrado no carro individual custa caro para o Estado