Estudo liga uso de transporte público a contágio por covid-19

11 de setembro de 2020 4 mins. de leitura
Usuários do transporte público estão entre os que mais morrem de covid-19 em São Paulo, segundo estudos de universidades paulistas

Muitas empresas liberaram profissionais para trabalharem em home office com o objetivo de diminuir as chances de contaminação por covid-19, entretanto muitos trabalhadores, sobretudo autônomos ou que atuam em atividades essenciais, ainda precisam sair de casa. Como boa parte deles necessita utilizar o transporte público, como ônibus, trens e metrô, esse pode ser um grande risco.

Mapa indicando Grajaú e regiões de São Paulo
Grajaú, no extremo sul da capital paulista, lidera o número de casos. (Fonte: Shutterstock)

Uma pesquisa realizada pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) em parceria com Fundação Tide Setubal concluiu que usar o transporte público, trabalhar como profissional autônomo e ser dona de casa são as principais variáveis que impactam nas mortes provocadas pelo coronavírus na cidade de São Paulo.

Conheça o mais importante evento de mobilidade urbana do Brasil

O estudo apontou que, nos bairros com maior número de usuários de transporte coletivo, 80% dos óbitos por coronavírus podem estar relacionados à necessidade de deslocamento. Entre as dez regiões da capital com mais vítimas fatais da doença, nove são líderes no número de viagens em ônibus, trem e metrô.

Grajaú, no extremo sul, encabeça o uso do sistema público de mobilidade e o total de trabalhadores autônomos. São mais de 380 mil viagens realizadas por dia pelos moradores, e o bairro ocupa a terceira posição em número de óbitos na capital, com 360 mortes até o início de agosto.

Hospitalizações e deslocamentos

Ruas de São Paulo movimentadas com enfase nos ônibus.
Usuários de ônibus, trens e metrô estão mais vulneráveis ao coronavírus, dizem pesquisas de universidades paulistas. (Fonte: LucVi/Shutterstock)

Um estudo realizado pelo LabCidade, ligado à Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (FAU/USP), relacionou o número de hospitalizações por coronavírus e a necessidade de deslocamento durante a pandemia. A pesquisa chegou a conclusões semelhantes às do levantamento da Unifesp. A análise cruzou dados da última Pesquisa de Origem e Destino realizada pela Companhia do Metropolitano de São Paulo (Metrô) em 2017, informações de ônibus da São Paulo Transporte (SPTrans) e registros do DataSUS de casos e óbitos causados pelo coronavírus em 96 distritos da capital paulista.

Como se proteger do coronavírus no transporte público?

A pesquisa concluiu que as linhas de ônibus com origem ou destino nos bairros de Capão Redondo, Jardim Ângela, Brasilândia, Cachoeirinha, Sapopemba, Iguatemi, Cidade Tiradentes, Itaquera e Cidade Ademar tiveram maior movimentação de passageiros durante a quarentena. Essas regiões também concentram o maior número de internações por conta das infecções causadas pelo coronavírus.

Cautela nas conclusões

Pesquisadores alertam que não se pode afirmar que o contágio pela doença tenha ocorrido dentro dos veículos de transporte público durante os deslocamentos. No entanto, afirmam que as pessoas mais expostas à covid-19 têm sido os trabalhadores que precisam sair de casa.

Como fica a mobilidade em Paris com o fim da quarentena?

Por essa razão, os estudos indicam que é preciso ampliar o direito ao isolamento para aqueles que não estão envolvidos com serviços essenciais, mas precisam trabalhar para garantir seu sustento. Além disso, é necessário pensar em políticas que protejam os cidadãos em seus deslocamentos.

Os pesquisadores defendem que é preciso elevar o número de ônibus em linhas específicas e aumentar o espaço de terminais e pontos de ônibus com tendas e demarcações para evitar aglomeração e possibilitar o distanciamento físico.

Conheça o Summit Mobilidade Urbana

Fonte: Sindicato dos Trabalhadores em Telemarketing, Agência Fapesp, Agência Brasil, Observatório do Terceiro Setor

Curtiu o assunto? Clique aqui e saiba mais sobre como a mobilidade pode melhorar os espaços.

Gostou? Compartilhe!