Covid-19: capitais criam rodízio de gênero para evitar aglomerações

Covid-19: capitais criam rodízio de gênero para evitar aglomerações
Medida já foi implementada na Colômbia, no Peru e no Panamá

O deslocamento de ônibus, trens ou a pé pode expor as pessoas à contaminação pelo novo coronavírus. Em vista disso, cidades em todo o mundo têm criado medidas para diminuir aglomerações nas ruas, desde exigir distanciamento entre as pessoas nas calçadas até limitar o número de passageiros no transporte público. Mas outra medida tem chamado atenção em algumas capitais da América Latina: o rodízio por gênero, com dias em que apenas os homens podem sair às ruas e outros em que somente as mulheres têm essa permissão.

Faixa de pedestres dos Beatles é repintada durante quarentena

O Panamá foi um dos primeiros países a lançar mão dessa estratégia. Pela regra, as mulheres podem sair de casa para realizar atividades essenciais às segundas, quartas e sextas-feiras, enquanto os homens podem circular apenas às terças e quintas-feiras e aos sábados. Aos domingos, todos ficam em casa.

Rodízio de gênero em Bogotá

Em abril foi a vez de Bogotá limitar os deslocamentos pela cidade com base no gênero. Em seu perfil no Twitter, a prefeita Claudia López explicou: "dias ímpares homens, dias pares mulheres". Contudo, existem algumas exceções: trabalhadores de indústrias essenciais, como alimentos e saúde, podem circular todos os dias, assim como pessoas que passeiam com cachorros, mas apenas por 20 minutos diários.

Bogotá também adotou o rodízio entre homens e mulheres nas ruas
Bogotá adotou o rodízio de gênero para conter a expansão da covid-19. (Fonte: Wikimedia Commons)

Segundo López — que é a primeira mulher e a primeira pessoa assumidamente LGBT no comando da cidade —, cada pessoa pode seguir a regra de acordo com a própria identidade de gênero, e as autoridades devem respeitar as "diferentes manifestações de gênero".

Coronavírus: Itaú e Tembici criam campanha "Não vá de bike"

Outro país que adotou a quarentena baseada no gênero foi o Peru, com as mesmas regras aplicadas no Panamá. Porém outras medidas de isolamento foram sistematicamente desrespeitadas por lá: mais de 60 mil pessoas foram detidas por violar as regras, e até mesmo policiais foram flagrados em reuniões sociais.

Google mostra impacto do novo coronavírus na mobilidade urbana

Isso contribuiu para que os casos da doença aumentassem de maneira exponencial no país. Em 21 de abril, de acordo com informações da Universidade Johns Hopkins, dos Estados Unidos, o Peru tinha 17,8 mil casos confirmados de covid-19, contra pouco mais de mil no início do mês. Contudo, vale a pena observar que parte desse aumento nos registros se deve ao maior número de pessoas testadas.

Casos de covid-19 dispararam no Peru, depois que medidas não foram respeitadas
Casos de covid-19 dispararam no Peru depois que rodízio não foi respeitado. (Fonte: Unsplash)

Outras formas de rodízio adotadas

Em outras regiões da Colômbia, a permissão para circular não é baseada no gênero, mas sim no número de identificação nacional. É o caso de Barrancabermeja, cidade de aproximadamente 200 mil habitantes, localizada no norte do país. As pessoas cujos documentos terminam com os dígitos 0, 7 ou 4 podem sair de casa às segundas-feiras; já aquelas cujo último número é 1, 8 ou 5 podem circular às terças-feiras. De acordo com reportagem da BBC News Brasil, medidas semelhantes foram adotadas na Bolívia.

Como estruturas urbanas podem se tornar hospitais de campanha?

Enquanto isso, no Rio de Janeiro (RJ), a prefeitura determinou uma escala de horários para o funcionamento de diferentes setores. Dessa maneira, padarias podem abrir às 5h, farmácias às 7h e mercados às 8h, evitando que os trabalhadores precisem usar o transporte público nos mesmos horários.

Fonte: Prefeitura do Rio de Janeiro, BBC News Brasil, Estadão, Universidade de Johns Hopkins

Curtiu o assunto? Clique aqui e saiba mais sobre como a mobilidade pode melhorar os espaços.

Evento de Mobilidade - Evento de Mobilidade - Summit Mobilidade Estadão