3 legados de Jaime Lerner para a mobilidade urbana

30 de junho de 2021 5 mins. de leitura
Arquiteto e urbanista curitibano, que também foi prefeito e governador, faleceu no fim de maio, deixando várias lições de mobilidade urbana

Em 27 de maio, o curitibano Jaime Lerner faleceu, aos 83 anos, por complicações de uma doença renal crônica. Conhecido internacionalmente, o arquiteto e urbanista, que também foi governador do Paraná e prefeito de Curitiba, deixou muitos legados para a mobilidade urbana.

Os trabalhos mais lembrados de Lerner são aqueles que realizou à frente da Prefeitura de Curitiba. Escolhido para um “mandato biônico” pela ditadura militar em 1971, retornou ao posto duas vezes: em 1979 e em 1989, pelo voto popular. Também foi governador do Paraná por dois mandatos, de 1995 a 2003. 

Embora sua atuação política possa ser alvo de críticas, a importância de Lerner para a mobilidade urbana é ponto pacífico. O sucesso de seus projetos trouxe convites para lecionar em universidades estrangeiras, auxiliou na conquista da presidência da União Internacional de Arquitetos (2002-2005) e do cargo de consultor para assuntos urbanísticos na Organização das Nações Unidas (ONU).

Confira três de seus principais legados.

Arquiteto e urbanista foi prefeito de Curitiba e governador do Paraná, deixando diversos legados para a mobilidade urbana (Imagem: Jaime Lerner Arquitetos Associados/Reprodução)
Arquiteto e urbanista, Jaime Lerner foi prefeito de Curitiba e governador do Paraná, deixando diversos legados para a mobilidade urbana (Fonte: Jaime Lerner Arquitetos Associados/Reprodução)

1. Rua das Flores: foco nos pedestres

A Rua das Flores, no centro da capital paranaense, foi a primeira via exclusiva para pedestres no Brasil. (Fonte: Prefeitura de Curitiba)
A Rua das Flores, no centro da capital paranaense, foi a primeira via exclusiva para pedestres no Brasil. (Fonte: Prefeitura de Curitiba)

Quando era estudante da Universidade Federal do Paraná, Lerner e seus colegas elaboraram planos para melhorar os deslocamentos pela capital paranaense, na época com 700 mil habitantes, em franco crescimento. Em entrevistas, o urbanista afirmou ter aceitado o convite dos militares pensando em trabalhar rápido para implementar soluções, já que o prefeito anterior teria “destruído a cidade”.

No segundo ano de seu mandato, tomou uma decisão polêmica e fechou o tráfego da Rua XV de Novembro, no centro da cidade, transformando-a em uma via apenas para pedestres — a primeira do Brasil. O asfalto foi trocado por pedras, e o trecho foi todo decorado como uma praça. O antigo nome, Rua das Flores, da época do Império, foi resgatado para batizar o novo cartão postal.

Houve resistência de alguns setores: as administrações anteriores tinham investido no alargamento das vias, e Lerner foi na direção contrária com essa obra. Porém, com o passar dos anos, a Rua das Flores se tornou um dos principais atrativos de Curitiba e contribuiu para a ideia da mobilidade urbana focada em pedestres

2. RIT e BRT: transporte público tipo exportação

Sistema de transporte de Curitiba foi criado nas gestões de Jaime Lerner e se tornou exemplo no mundo. (Fonte: Prefeitura de Curitiba)
Sistema de transporte de Curitiba foi criado nas gestões de Jaime Lerner e se tornou exemplo no mundo. (Fonte: Prefeitura de Curitiba)

O sistema de transporte público de Curitiba se tornou referência em todo o mundo, e boa parte das ideias reproduzidas em centenas de cidades até hoje saiu da mente de Lerner. Em 1974, ele começou a abrir vias exclusivas para ônibus em eixos importantes da capital com embarque antecipado — era o início do sistema de transporte rápido por ônibus (BRT).

Outro diferencial do pensamento de Lerner para o transporte público curitibano foi a criação de uma rede integrada de transporte, ligando todas as regiões da cidade e a região metropolitana em um mesmo sistema, facilitando os deslocamentos. Com a sigla RIT, a rede funciona até hoje. 

Em seus dois mandatos posteriores, Lerner fez melhorias substanciais no BRT e na RIT com a adoção das estações tubo, que se tornaram cartões-postais de Curitiba.

3. Parque Barigui: arborizar é preciso

A importância das áreas verdes para as cidades — e para a mobilidade urbana — é tema central de debates até hoje. Em suas gestões como prefeito de Curitiba, Lerner realizou várias obras nesse sentido, tornando a capital paranaense uma das mais verdes do País: são cerca de 60 metros quadrados de área verde por habitante, de acordo com informações divulgadas pela prefeitura.

Uma das obras que simboliza esses esforços é o Parque Barigui, inaugurado em 1972 a partir da desapropriação de terras particulares. Além de preservar 1,4 milhão de metros quadrados em áreas verdes, a obra auxiliou no controle de enchentes em Curitiba. Isso porque há um grande lago no meio do parque junto ao Rio Barigui, que corta a cidade.

Em entrevistas, Lerner explicou que a desapropriação de grandes terrenos era uma estratégia para criar novas áreas verdes em Curitiba sem precisar de grandes investimentos.

Parque Barigui, inaugurado no primeiro mandato de Jaime Lerner, é uma das principais áreas verdes de Curitiba (Imagem: Wikimedia Commons)
Parque Barigui, inaugurado no primeiro mandato de Jaime Lerner, é uma das principais áreas verdes de Curitiba. (Imagem: Wikimedia Commons)

Após seus dois mandatos como governador do Paraná, Lerner se afastou da política. Ainda assim, continuou sendo referência em arquitetura e urbanismo, fundando em Curitiba o escritório Jaime Lerner Arquitetos Associados, dando palestras e entrevistas no mundo e lançando obras como Acupuntura Urbana (2003).

Fonte: ArchDaily, Jaime Lerner Arquitetos Associados, Agência Brasil, Prefeitura de Curitiba

Este conteúdo foi útil para você?

106790cookie-check3 legados de Jaime Lerner para a mobilidade urbana