Summit Mobilidade

Como escolher uma bicicleta elétrica dobrável?

11 de outubro de 2022 4 mins. de leitura
Saiba quais são os pontos que você precisa considerar na hora de comprar uma bicicleta elétrica dobrável

Conheça o maior evento de mobilidade urbana do Brasil

A oferta de diferentes modais para o transporte urbano é uma das características de uma boa mobilidade urbana. Afinal, se você pode usar diferentes meios de transporte para chegar ao seu destino, as chances de se atrasar diminuem, bem como as de ficar preso no trânsito, ou seja, depender de um único tipo de veículo pode dar problema.

Nesse sentido, uma grande preocupação para os especialistas em mobilidade urbana é como as pessoas completam a “última milha” do trajeto, aquele trecho entre a estação de metrô ou o terminal de ônibus e o seu destino.

Garantir meios seguros e cômodos para que as pessoas completem o percurso é uma das maneiras de diminuir a dependência de carros particulares. Se o transporte público for barato, confiável, seguro, minimamente confortável e oferecer opções de chegar ao trabalho, à faculdade ou em casa com eficiência, mais pessoas vão optar por meios alternativos de transporte.

Em muitos países, a última milha é realizada com bicicletas, patinetes ou outros veículos elétricos. Infelizmente, no Brasil, poucas cidades adotaram com sucesso os serviços de aluguel desse tipo de veículo, por isso uma ótima opção para realizar a última milha, ou até trajetos completos, são as bicicletas elétricas dobráveis.

A possibilidade de dobrar a bicicleta garante que ela possa ser transportada confortavelmente em outros meios de transporte, como ônibus, metrôs e carros. Além disso, a autonomia de deslocamento garantida pela bateria faz que o veículo possa ser utilizado em deslocamentos longos também.

Mas como escolher o modelo de bicicleta elétrica dobrável ideal? Confira alguns pontos importantes para checar antes de se decidir.

1. Bateria

A bicicleta da Vicaski tem autonomia de 25 km a 50 km. (Fonte: Portal Vida Livre/Reprodução)

Atualmente, existem diversas opções de modelos de bicicleta elétrica, e a bateria é um dos fatores mais importantes (e caros) em cada uma delas. O tamanho e o material da bateria são determinantes no preço do produto final e na autonomia dele.

As baterias mais comuns são as de lítio ou de chumbo, sendo as primeiras mais caras, porém mais leves e duram por mais recargas. As segundas, de chumbo, são mais pesadas e demoram mais para carregar, mas são bem mais baratas e podem caber melhor no orçamento. Na hora de escolher, é importante colocar na ponta do lápis quais são as prioridades entre preço, peso e autonomia.

2. Potência

A bike elétrica dobrável da Goldentec tem 350 W de potência. (Fonte: Portal Vida Livre/Reprodução)

A potência das bicicletas elétricas é definida pelo motor. Motores com mais de 250W de potência apresentam desempenho bem mais interessantes, principalmente em trajetos acentuados ou em subidas, portanto, se você precisa fazer trajetos maiores, vale a pena partir para motores com melhor desempenho.

3. Resistência

Atente-se ao peso que a bicicleta elétrica dobrável suporta. Normalmente, bicicletas elétricas aguentam cargas a partir de 80 quilos, portanto lembre de calcular o peso extra que precisa levar, como mochilas e materiais de trabalho.

4. Material da bicicleta

Normalmente, as bicicletas são feitas de aço, alumínio ou fibra de carbono. Os três são ótimos materiais, e o aço costuma ser o mais comum, mas, para uma bicicleta elétrica dobrável, a fibra de carbono pode ser uma boa opção, já que é mais leve e muito durável. Esses modelos, porém, podem ser bem mais caros.

Leia também:

5. Cuidado com a legislação

Atente-se às regras de trânsito. De acordo com o Conselho Nacional de Trânsito (Contran), bicicletas elétricas que tenham mais de 350 watt de potência, com velocidade superior a 25 quilômetros por hora ou acelerador acionado independentemente do pedal só podem ser pilotadas por motoristas habilitados. Para isso, é preciso tirar a Autorização para a Condução de Ciclomotores (ACC) ou a Carteira Nacional de Habilitação (CNH) na habilitação “A”.

Para conseguir a ACC, é preciso ser maior de 18 anos, fazer um curso de motorista no Departamento de Trânsito (Detran) e passar por todos os testes, de forma similar a retirada da CNH. Portanto, atenção às especificações da sua bike e não circule caso não tenha habilitação, pois seu veículo pode ser apreendido.

Fonte: Bike Itaú, Guia dos Melhores, Review Box

153130cookie-checkComo escolher uma bicicleta elétrica dobrável?