7 razões para reestruturar orlas das cidades

28 de junho de 2020 5 mins. de leitura
A revitalização das orlas fluviais e marítimas pode ser um grande impulsionador no desenvolvimento das cidades

A maioria das cidades mais antigas do mundo começou próxima a rios e mares, devido à dependência da água. Assim deu-se o desenvolvimento de áreas comerciais e portos importantes para a consolidação de espaços urbanos.

Conheça o mais importante evento de mobilidade do Brasil

O surgimento de novas rotas de transporte da pré-Revolução Industrial até a invenção dos automóveis tirou a centralidade dos espaços próximos à água. Além disso, o crescimento desenfreado das cidades transformou rios urbanos em esgotos que levaram sujeira para o mar. Dessa forma, áreas que eram vibrantes se tornaram degradadas.

Cidades do futuro: Singapura como exemplo de cidade inteligente

A partir da década de 1950, a preocupação com a preservação do meio ambiente despertou o interesse pela regeneração das orlas urbanas nos Estados Unidos. A ideia se espalhou para a Europa, África, Ásia e, inclusive, para o Brasil. Com isso, as orlas voltaram a ser um vetor dos desenvolvimentos econômico e social para o espaço urbano.

1. A água como atrativo

São Francisco (EUA) foi uma das primeiras cidades do mundo a se preocuparem com a regeneração de sua orla. (Fonte: GagliardiPhotography / Shutterstock)

A água é um patrimônio de valor inestimável. O recurso é importante tanto pela biodiversidade da vida aquática quanto pela regulação de temperatura e umidade da atmosfera urbana.

Projeto em Atlanta transforma linha férrea antiga em rota sustentável

Rios e mares fazem parte da identidade das cidades que são margeadas por eles. As orlas também são espaços propícios para atividades de esporte e lazer, gerando o interesse tanto dos moradores quanto de turistas.

2. Acessibilidade para barcos, pedestres e ciclistas

Xangai (China) possui 45 km de orla dedicados a pedestres. (Fonte: Shutterstock)

As orlas florescem quando não permitem a passagem de veículos particulares. A área pode ser acessada tanto pela água, por meio de embarcações, quanto pela terra. O acesso a pé e de bicicleta é um elemento crucial para o sucesso de uma orla, que pode ter um calçadão dedicado para pedestres e ciclovias, criando um clima propício a diversas atividades.

3. Valorização da identidade local

Em Istambul (Turquia), o megaprojeto Galataport pretende restaurar vários prédios históricos em uma área costeira de 1,2 km de extensão. (Fonte: Shutterstock)

As margens urbanas de rios e mares criam paisagens geográficas únicas. Tanto a vista orientada para água quanto a visão a partir dela podem oferecer a moradores e residentes um banho de história e cultura locais, estimulando a construção de um lugar de reunião da comunidade com atividades de música, dança e teatro, entre outras artes.

4. Desenvolvimento residencial limitado

Regeneração da orla do rio Danúbio deu nova vida à capital da Hungria, Budapeste. (Fonte: Shutterstock)

As orlas não devem ser limitadas por residência, porque esses locais são propícios para estar sempre cheios de pessoas, tanto durante o dia quanto à noite. As margens da água podem ser utilizadas para festivais, mercados, fogos de artifício, shows, celebrações espontâneas e outras concentrações de pessoas. Empreendimentos residenciais prejudicam a diversidade do uso da orla e criam pressão para impedir o florescimento da atividade noturna.

5. Comodidades estimulam visitantes

A área do porto da Cidade do Cabo (África do Sul) se transformou no principal ponto turístico e comercial da cidade após um projeto de regeneração da orla. (Fonte: kavram / Shutterstock.com)

Um mobiliário urbano bem-posicionado faz toda a diferença. Bancos, cestos de lixo, iluminação e jardinagem adequados não só tornam o ambiente mais agradável como criam uma identidade local. Temporárias ou permanentes, as comodidades ajudam a estabelecer um ambiente de convívio e interação social.

6. Promoção do comércio local

Feirinha da Beira-mar é uma das principais atrações para moradores e turistas de Fortaleza. (Fonte: Ministério do Turismo)
Feirinha da Beira-mar é uma das principais atrações para moradores e turistas de Fortaleza. (Fonte: Ministério do Turismo)

As margens de rios e mares podem se tornar grandes promovedoras do comércio local, desde feiras de artesanato a empreendimentos gastronômicos. O estímulo a iniciativas de pequenos comerciantes ajuda a criar um ambiente com o oferecimento de uma gama ampla de serviços, atraindo um número de pessoas e público de diversos perfis.

7. Construções na orla devem melhorar o espaço público

Os boulevards do rio Vístula estão entre os espaços públicos mais frequentados de Varsóvia (Polônia). (Fonte: Grand Warszawski / Shutterstock)

Os edifícios e as construções perto de orlas devem aumentar a atividade nos espaços públicos ao redor. De forma ideal, devem ter uma altura baixa e proporcionar uma interação entre as áreas interiores e exteriores. Arranha-céus geralmente criam barreiras físicas e psicológicas ao fluxo de pessoas na orla.

Fonte: Urban-hub, Universidade de Newcastle, Witpress, Project for Public Spaces, Land8, Isocarp.

Curtiu o assunto? Clique aqui e saiba mais sobre como a mobilidade pode melhorar os espaços.

Gostou? Compartilhe!