Vacinação e mobilidade: SP facilita imunização de pedestres

17 de maio de 2021 3 mins. de leitura
Na última quinta-feira, 13 de maio, o governo de São Paulo inaugurou postos de vacinação em estações de trem, metrô e ônibus

A partir da última quinta-feira (13), a vacinação na cidade de São Paulo pode ser feita também em estações de trem, metrô e ônibus. Cinco novos pontos de atendimento já começaram a funcionar no dia 13, e outros três serão adicionados à lista na segunda-feira (17). O horário de funcionamento é das 9h30 às 17h, e as vacinas são disponibilizadas de acordo com os grupos prioritários do calendário da vacinação da Prefeitura. 

A maior parte dos locais escolhidos está na Zona Leste da cidade:

SP inicia vacinação em estações de transporte coletivo (Imagem: Estadão/Reprodução)
São Paulo inicia vacinação em estações de transporte coletivo. (Imagem: Estadão/Reprodução)

Trens da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM):

  • Estação Guaianases da Linha 11 — Coral.
  • Estação São Miguel Paulista, da Linha 12 — Safira.
  • Estação Jardim Helena/Vila Mara, da Linha 12 — Safira.
  • Estação Itaim Paulista, da Linha 12 — Safira.

Metrô de São Paulo:

  • Estação Corinthians-Itaquera, da Linha 3 — Vermelha.

A partir de 17 de maio, segunda-feira:

  • Estação República, da Linha 4 — Amarela.
  • Estação Pinheiros, da Linha 4 — Amarela.
  • Estação Butantã, da Linha 4 — Amarela.

Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos de São Paulo (EMTU):

  • Terminal de Ônibus de São Mateus.

Uma opção conveniente também para os pedestres

A decisão do Governo de São Paulo de utilizar a estrutura do transporte coletivo na campanha de vacinação é interessante do ponto de vista da mobilidade urbana. 

Isso porque, desde que os imunizantes começaram a ser distribuídos em meados de janeiro, o drive-thru se tornou o principal método de acesso aos postos de imunização de todo o País. Mesmo que exista a alternativa de agendar a vacinação em Unidades Básicas de Saúde (UBS), o uso do automóvel particular acaba sendo privilegiado, como forma mais simples e rápida de ter acesso à vacina. 

Na prática, a estratégia do drive-thru acaba sendo uma dificuldade a mais para aquelas pessoas que não têm um automóvel, além de privilegiar o transporte individual frente ao coletivo — justamente o contrário do que os Planos Diretores mais atuais buscam fazer, inclusive em São Paulo

Vacinação drive-thru restringe o acesso à vacina e privilegia o uso do transporte individual (Imagem: Felipe Rau/Estadão)
Vacinação drive-thru restringe o acesso à vacina e privilegia o uso do transporte individual. (Imagem: Felipe Rau/Estadão)

Essa questão também tem um viés de desigualdade social e racial, já que pessoas negras, pobres e da periferia têm menos probabilidade de possuir um carro particular. Cerca de 70% dos domicílios formados apenas por negros não têm um, algo que acontece com 38% dos lares constituídos somente por brancos. Os dados são do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), com recorte do Instituto Multiplicidade Mobilidade Urbana. Em muitos municípios, ter um carro é a diferença entre ser vacinado ou não.

Por exemplo: no início de abril, um jornal comunitário de Ceilândia (DF) criticou ações pontuais de vacinação, que aconteceram apenas em drive-thru, em áreas nobres, como Lago Norte e o Parque da Cidade — restringindo o acesso à vacina.

Por esses motivos, ações como esta que está ocorrendo em São Paulo são importantes tanto para a saúde quanto para a mobilidade urbana, no sentido de democratizar o acesso aos serviços disponíveis no espaço urbano. 

Confira a programação completa do Estadão Summit Mobilidade 2021 e inscreva-se agora!

Este conteúdo foi útil para você?

104400cookie-checkVacinação e mobilidade: SP facilita imunização de pedestres