Summit Mobilidade

Como a inteligência artificial pode ser explorada nos apps de mobilidade?

28 de julho de 2023 4 mins. de leitura
Confira os novos recursos e serviços que estão sendo oferecidos entre as empresas que atuam no segmento

Conheça o maior e mais relevante evento sobre o futuro da mobilidade no Brasil.

A inteligência artificial (IA) tem se mostrado bastante útil na otimização de uma série de recursos, e quando posta em prática no contexto da mobilidade urbana, isso não é diferente. Assim, temos a apresentação de novos modelos de serviços em um intervalo de tempo cada vez menor.

No dia a dia, por exemplo, a IA pode ir além de auxiliar na escolha de uma rota mais segura. E quando combinada com outras tecnologias, como o machine learning (ML), pode-se explorar o desenvolvimento de soluções eficazes mesmo nos contextos mais desafiadores.

Pensando nisso, a Uber tem investido em veículos autônomos para realizar entregas e já expandiu esse uso para o transporte de passageiros. Houston, Texas e Los Angeles são alguns dos locais onde o serviço se encontra em fase de testes pela empresa. Paralelamente, em Las Vegas, carros autônomos 100% elétricos estão sendo utilizados nas viagens do famoso app de mobilidade.

(Fonte: Getty Images/Reprodução)
Com a IA, torna-se possível avançar na oferta de aplicativos de mobilidade que atendam a necessidades cada vez mais específicas. (Fonte: Getty Images/Reprodução)

Explorando os benefícios da tecnologia para a mobilidade urbana

E se, por um lado, esse meio de transporte oferece uma experiência bastante particular de deslocamento, aliando o uso da inteligência artificial e da internet das coisas (IoT), por outro, ele se mostra potencialmente benéfico para que serviços alcancem as regiões mais desassistidas. Ao mesmo tempo, inúmeros recursos podem ficar ainda mais acessíveis àqueles que possuem algum tipo de dificuldade para se deslocar.

Buser, app de mobilidade de ônibus, também tem empregado a IA na sua frota: por meio de câmeras inteligentes, a startup investiu em um sistema 3 em 1, com sensor anticolisão, e outros dois que avaliam a condução do motorista, tanto detectando sinais de fadiga, quanto monitorando se ocorre mudança de faixa sem sinalização. Mais de 50 ônibus já contam com a tecnologia, conforme reportou o Estadão.

Inclusive, sob o ponto de vista do clima e do meio ambiente, a inteligência artificial já se mostra útil na prevenção de enchentes e de cenários críticos, resultando no lançamento do Flood Hub. A ferramenta, desenvolvida pela Google, está disponível em pelo menos 80 países, incluindo o Brasil. Ela é capaz de gerar alertas com até 7 dias de antecedência de um determinado evento.

Leia também:

(Fonte: Getty Images/Reprodução)
Acompanhar o deslocamento de amigos e familiares e localizar pontos de carregamento de veículos elétricos pode se tornar mais fácil com a aplicação da IA. (Fonte: Getty Images/Reprodução)

Utilizando a inteligência artificial para obter informações mais precisas

A gigante da tecnologia, após anunciar o lançamento do Google Bard, uma tecnologia de inteligência artificial com aplicação similar à do ChatGPT, divulgou como pretende expandir o uso da IA para suas outras ferramentas bastante utilizadas, como o Google Tradutor e o Google Maps.

À medida que recursos de navegação se tornam mais intuitivos, é possível ter uma amostra de como os apps de mobilidade podem evoluir: por meio de análises preditivas, as projeções do Google Maps vão oferecer uma diferente forma de contato com uma região. Ao ir além de disponibilizar informações do momento atual, a proposta seria a de fornecer previsões sobre o clima, a qualidade do ar e o fluxo de automóveis.

Ao considerar a imersividade, visualizações do trajeto bastante detalhadas ganham um papel de destaque, independentemente se o deslocamento é feito a pé, de carro ou bicicleta. A princípio, a ideia é disponibilizar essa gama de recursos aplicados no contexto da mobilidade a um grupo de cidades, incluindo Amsterdã, Berlim, Tóquio, Florença, Nova York e Veneza.

194190cookie-checkComo a inteligência artificial pode ser explorada nos apps de mobilidade?