Summit Mobilidade

Financiamento do transporte público foi assunto no Summit Mobilidade 2023

31 de maio de 2023 4 mins. de leitura
Especialistas abordaram soluções para combater a crise do transporte público; confira

Como combater a crise que o transporte público vivencia? Em meio ao colapso do sistema nos últimos anos, potencializado com a queda da demanda desde o início da pandemia, o aumento da tarifa se mostra como uma consequência imediata.

Mas por não constituir uma solução efetiva capaz de reverter esse cenário, além de onerar a população, ela evidencia a necessidade de adotar outros caminhos. No painel Financiamento do transporte em tempos de crise, mediado por Luciana Garbin, que é editora-executiva do Estadão, tivemos o encontro de especialistas para debater propostas para o setor.

São eles: Beto Pereira, deputado federal por Mato Grosso do Sul; Lúcio Gregori, engenheiro e ex-secretário municipal de transportes no governo de Luiza Erundina; Carlos Henrique Ribeiro de Carvalho, pesquisador do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e Tiago Terra, Superintendente de Administração dos Contratos de Concessão da CCR Mobilidade.

Confira, agora, um resumo de tudo o que foi abordado sobre a temática no Summit Mobilidade 2023:

Soluções para sanar a crise do transporte público coletivo foram exploradas no painel do Summit Mobilidade. (Fonte: Summit Mobilidade 2023/Reprodução)

Refletindo sobre o cenário dos transportes

Tiago Terra defende que a mobilidade urbana pode ser tanto a grande propulsora quanto o entrave ao desenvolvimento. Ainda segundo ele, é fundamental entender o diagnóstico do sistema sem deixar de ter o olhar voltado para o cenário atual.

Ao destacar a necessidade que os avanços ocorram de forma coordenada, Beto Pereira pensa que a existência de um plano nacional que incentive a modernização das frotas é fundamental nesse sentido. Além disso, é crucial obter novas fontes de financiamento para o transporte público.

Segundo levantamento realizado pela Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos (NTU), o prejuízo acumulado no setor seria de R$ 36 bilhões. Além disso, pelo menos 90 mil empregos teriam sido cortados desde o início da pandemia.

Ao refletir sobre as causas que levaram a esse cenário, Lúcio Gregori lembra que, dentre as distâncias percorridas, 57% delas são realizadas por meio do transporte público, enquanto 31% ocorrem por meio de automóveis. Ainda assim, dos gastos públicos com mobilidade, 77% deles são direcionados aos veículos de uso individual.

Leia também:

Além de investir num novo sistema, é preciso melhorar a qualidade do serviço prestado à população. (Fonte: Getty Images/Reprodução)

Buscando alternativas para financiar o transporte coletivo

Lúcio também argumenta: considerando que diferentes serviços públicos são financiados por meio do pagamento de taxas, como a de lixo e iluminação das ruas, levar esse mesmo mecanismo para o transporte público seria um caminho para remodelar o sistema.

Carlos Henrique ainda lembra que, no modelo atual, são os usuários que custeiam o transporte público. Por outro lado, aqueles que utilizam automóveis não contribuem com o financiamento do sistema coletivo. Esse é um dos grandes problemas presentes, visto que eles ocupam as vias e reduzem as áreas destinadas à circulação de veículos.

Mudar isso por meio de um sistema de compensação, seria, portanto, uma maneira de obter nova fonte de custeio para a operação dos transportes. Na rodada de perguntas, ao considerar a possibilidade de adotar a tarifa zero como solução, Tiago acredita que a visão de longo prazo deve ser priorizada. Assim, a questão envolvendo o financiamento do sistema deve ser sanada antes de avançar nesse debate.

Para Beto Pereira, a perda de eficiência do transporte é um dos motivos que contribuiu para a redução na demanda de usuários. Pensando nisso, ele entende que é preciso investir em meios que tragam eficiência ao sistema, além de financiá-lo.


Fonte: NTU

184380cookie-checkFinanciamento do transporte público foi assunto no Summit Mobilidade 2023