Summit Mobilidade

O que pode ser feito com as linhas férreas desativadas?

17 de julho de 2023 4 mins. de leitura
Confira quais soluções podem ser adotadas para revitalizar galpões e antigas estações de trem

Conheça o maior e mais relevante evento sobre o futuro da mobilidade no Brasil.

Revitalizar espaços que outrora foram utilizados e perderam sua função original vai muito além de preservar a história de um determinado local, visto que essa prática também é uma oportunidade de oferecer algum tipo de serviço à população.

Isso vale tanto para edifícios quanto para antigas estações ferroviárias que foram deixadas para trás, como consequência do processo de urbanização que as cidades brasileiras vivenciaram no último século e da reorganização espacial do território.

(Fonte: Getty Images/Reprodução)
Edifício Pina Estação, na capital paulista. (Fonte: Getty Images/Reprodução)

Em se tratando das antigas estações de trem, para investir nesse processo de conversão, inicialmente é possível pensar em dois tipos de soluções: a reconstrução, que exige a demolição e carece de um maior tempo de obra, e a revitalização, que permite que a estrutura já existente seja aproveitada. Nesta última, uma das principais vantagens envolvidas é a redução de resíduos gerados, sendo apontada como uma alternativa sustentável.

No Brasil, apesar de muitas estruturas terem sido abandonadas, há projetos que ainda mantêm sua forma arquitetônica preservada e foram adaptados para atender a novas finalidades. Confira, abaixo, 4 exemplos interessantes:

Leia também:

O Complexo Fepasa, em Jundiaí, abriga uma unidade da Faculdade de Tecnologia - Fatec, em São Paulo (Fonte: Prefeitura de Jundiaí/Reprodução)
Complexo Fepasa, em Jundiaí, foi convertido em um espaço de cultura e lazer, passando a se chamar Expressa. (Fonte: Prefeitura de Jundiaí/Reprodução)

Convertendo galpões e estações ferroviárias em novos espaços

Na capital paulista, um museu bastante conhecido passou por esse processo: trata-se da Pinacoteca. O Edifício Pina Estação, no Complexo Cultural Júlio Prestes, era onde ficava o Armazém Central da Estrada de Ferro Sorocabana, construído em 1914 e que passou por reformas em 2004, permitindo que ganhasse esse novo uso.

Como um outro exemplo, temos o Expressa (Complexo Fepasa) na cidade de Jundiaí, em São Paulo, que conta com 46 mil metros de área construída e 34 edificações. O local abrigou as oficinas das locomotivas à vapor da Companhia Paulista de Estradas de Ferro, construídas em 1890.

(Fonte: Wikimedia/Reprodução)
Visão do Museu de Artes e Ofícios, em Minas Gerais. (Fonte: Wikimedia/Reprodução)

Por lá, atualmente, diversos estabelecimentos oferecem serviços importantes à população, como a Faculdade de Tecnologia de Jundiaí (Fatec) Deputado Ary Fossen, uma unidade do Poupatempo, o Museu da Cia Paulista, o Arquivo Histórico de Jundiaí, entre outras unidades de gestão da Prefeitura, espaços culturais e de convivência.

Em Minas Gerais, prédios tombados onde ficavam a Estação Ferroviária Central do Brasil e Oeste de Minas deram vida ao Museu de Artes e Ofícios (MAO) a partir de 2005. Localizado em Belo Horizonte, ele abriga hoje um acervo de mais de dois mil itens, com roupas, ferramentas e equipamentos antigos, oferecendo à população a oportunidade de conhecer mais sobre o período pré-industrial.

(Fonte: Prefeitura de Curitiba/Reprodução)
Museu Ferroviário de Curitiba. (Fonte: Prefeitura de Curitiba/Reprodução)

Em Curitiba, capital do Paraná, o Shopping Estação está ligado à parte da estrutura de uma antiga estação de trem, inaugurada em 1885. Além disso, a história do local segue viva no Museu Ferroviário, que fica anexo. Assim, quem está no interior do empreendimento também pode aproveitar a oportunidade para conhecer seu acervo e conferir de perto uma locomotiva antiga movida a vapor.

Estes casos mostram como o bom uso das estruturas das antigas linhas férreas, oficinas e galpões desativados apresentam potencial para introduzir novas dinâmicas nas cidades, o que pode até mesmo impactar a economia regional de uma forma positiva, seja por meio do aumento na oferta de espaços públicos ou privados.

Fontes: Pinacoteca, Prefeitura de Jundiaí, Museu de Artes e Ofícios, Ministério da Cultura, Prefeitura de Curitiba

193420cookie-checkO que pode ser feito com as linhas férreas desativadas?