Qual é a distância segura para pedalar e evitar o coronavírus?

Qual é a distância segura para pedalar e evitar o coronavírus?
Para pesquisadores, ciclistas precisam se locomover mediante certa distância

Em meio à pandemia de coronavírus, Bogotá ampliou suas ciclovias, e Nova York declarou as bicicletarias como estabelecimentos essenciais. Medidas como essas, comuns em várias cidades pelo mundo, são tomadas para reduzir o movimento em ônibus, trens e metrôs, veículos em que os riscos de proliferação da covid-19 são altos.

Por ser fechado e reunir muitas pessoas, o transporte coletivo é pouco indicado como alternativa de mobilidade urbana durante o período de quarentena. Nesse sentido, muitos especialistas orientam aqueles que puderem se deslocar de bicicleta a optarem por esse meio de transporte.

Faixa de pedestres dos Beatles é repintada durante quarentena

Porém, é importante frisar que a orientação de boa parte dos especialistas da área é que as pessoas saiam de casa apenas para realizar atividades essenciais. E foi pensando nisso, inclusive, que o Itaú e a Tembici, que oferecem bicicletas compartilhadas, criaram a campanha "Não vá de bike". A ideia é manter bicicletas disponíveis para quem trabalha em atividades essenciais, como profissionais das áreas de saúde e abastecimento.

(Fonte: Unsplash)

Outros exemplos para conter o deslocamento desnecessário de ciclistas nas ruas é o da Espanha e o da Itália, que barraram o uso de bikes, estabelecendo multas de até 3 mil euros para quem descumprisse as regras de isolamento.

Esse panorama leva a outro ponto importante: o fato de o ciclista correr menos riscos de contaminação do que quem anda de transporte coletivo não quer dizer que a bicicleta seja totalmente segura.

O que a nova política de pedestres da Alemanha pode ensinar?

Como o vírus da doença se prolifera no ar, alguns cientistas se propuseram a pesquisar qual é a distância que os ciclistas devem manter uns dos outros para que corram menos riscos de serem infectados.

Um desses estudos veio de um grupo de pesquisadores europeus, entre os quais está o professor Bert Blocken — que leciona no curso de Engenharia Civil na Universidade de Tecnologia de Eindhoven, na Holanda, e na KU Leuven, na Bélgica. Ele chegou a divulgar alguns dados de sua pesquisa no Twitter.

Google mostra impacto do novo coronavírus na mobilidade urbana

A análise visava avaliar qual seria a distância segura não apenas para pedalar, mas também para correr e caminhar durante a pandemia. O grupo concluiu que ciclistas e corredores devem se manter a uma distância maior que 2 metros de outras pessoas. Só assim conseguirão evitar a inalação de gotículas ou a queda delas em seus corpos.

man riding black bike on street
(Fonte: Unsplash)

Ainda, segundo os estudiosos, quando se anda de bicicleta a 29 km/h, o ideal é manter 20 metros de distância dos demais à sua volta. Se você está correndo, 10 metros de distância é a quantidade indicada. Caso esteja caminhando, 5 metros são suficientes.

Como a Cycle Superhighways se tornou modelo de mobilidade?

Convém, entretanto, lembrar que o resultado da pesquisa não é definitivo e há discordâncias em relação aos dados levantados. Cientistas ouvidos pelo jornal Wired, por exemplo, embora estejam de acordo com a perspectiva de Blocken e de seus colegas sobre a importância de se manter uma distância atrás e à frente de outras pessoas, não confirmam a distância exata obtida no estudo. Só o que ainda é unânime é a ideia de que quanto mais longe as pessoas estiverem umas das outras, maior será o risco de contaminação.

Fonte, Universidade de Tecnologia de Eindhoven, Wired, Mobilize.

Curtiu o assunto? Clique aqui e saiba mais sobre como a mobilidade pode melhorar os espaços.

Evento de Mobilidade - Evento de Mobilidade - Summit Mobilidade Estadão