Summit Mobilidade

Hortas urbanas: como as cidades estão repensando seus lugares vazios

2 de setembro de 2023 4 mins. de leitura
Conheça três iniciativas que exploram o potencial das hortas urbanas em prol da população

Uma boa gestão do espaço urbano é capaz não apenas de promover a interação entre a população e os diferentes ambientes, reduzindo problemas de trânsito e de isolamento de uma área, mas também é um trabalho importante para explorar o potencial que determinados locais podem oferecer.

As chamadas hortas urbanas são prova de como uma área em desuso pode se transformar em um espaço de auxílio e compartilhamento, uma vez que atendem aos objetivos de desenvolvimento sustentável e contribuem com a maior oferta de alimentos para a população. 

Confira abaixo três casos de boas práticas que se mostram bem-sucedidas nesse sentido.

(Fonte: Getty Images/Reprodução)
Plantio de hortaliças em Teresina está contribuindo com a geração de renda local. (Fonte: Getty Images/Reprodução)

Geração de emprego e renda por meio de hortas urbanas em Teresina

Em Teresina, no Estado do Piauí, um projeto de hortas comunitárias sustentáveis tem respondido pela geração de renda para a população e vai além de melhorar o padrão alimentar daqueles que estão em situação de vulnerabilidade, beneficiados pela maior oferta de alimentos.

O trabalho desenvolvido na região do Dirceu fez com que mais de 40 hortas comunitárias fossem implantadas nos últimos anos, compondo assim, um cinturão verde com mais de cinco quilômetros de extensão, que já ficou conhecido como o maior da América Latina.

Assim, sua permanência oferece benefícios mesmo àqueles que não estão diretamente envolvidos no projeto, além de propiciar mudanças na paisagem local.

Leia também:

(Fonte: Prefeitura de Cajamar/Reprodução)
Hortas comunitárias estão presentes em escolas de educação básica no município de Cajamar. (Fonte: Prefeitura de Cajamar/Reprodução)

Hortas nas escolas de Cajamar

Considerando ainda o quanto é importante trabalhar desde cedo a consciência ambiental e abordar os cuidados com a natureza e a preservação das espécies, as escolas municipais também estão dando vida às hortas urbanas na cidade de Cajamar, no estado de São Paulo.

Por lá, o Projeto Semeia Cajamar está presente nas escolas de educação infantil, o que oferece tanto uma maior integração entre a comunidade escolar quanto permite que a sustentabilidade seja trabalhada com os pequenos.

Além de ensinarem técnicas de plantio de legumes e vegetais, o trabalho realizado se mostra essencial para promover a produção de alimentos que são destinados às merendas escolares e reforça a importância da alimentação saudável.

As fazendas verticais mostram como é possível cultivas espécies em galpões abandonados e áreas pequenas sem solo. (Fonte: Governo Federal/Reprodução)
Fazendas verticais mostram como é possível cultivar espécies vegetais em galpões abandonados e pequenas áreas sem solo. (Fonte: Governo Federal/Reprodução)

Fazendas verticais oferecem alternativa para o cultivo

Uma área pública de cinco mil metros quadrados foi o local escolhido para a maior horta urbana do Distrito Federal, evitando que ficasse acumulada com lixo e entulho, dando vida ao Instituto Horta Girassol desde 2005.

E, para quem ainda se pergunta sobre a possibilidade de adotar esse conceito de hortas em espaços menores, as fazendas verticais mostram como é possível investir nisso.

Pesquisas da Embrapa Hortaliças já dão uma amostra de como uma estrutura adaptada, com iluminação de LED, monitoramento da concentração de CO2 e controle de temperatura pode ser uma alternativa para o cultivo de várias espécies.

Uma vez construídas em locais de acesso facilitado ao público consumidor, as fazendas verticais são capazes de promover a redução no custo com transporte no escoamento de alimentos, mostrando como galpões abandonados nas cidades, por exemplo, podem ser usados de forma inovadora.

Fonte: Cidades Sustentáveis, Unesp, Prefeitura de Cajamar, Prefeitura de Teresina, Governo Federal, Prefeitura de Cajamar

200860cookie-checkHortas urbanas: como as cidades estão repensando seus lugares vazios